Foi homologada hoje terça-ferira (15), pelo Ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal - STF, a bombástica delação premiada do Senador Delcídio do Amaral (PT-MS), junto a Procuradoria-Geral da República. De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, Delcídio do Amaral afirma em seu depoimento, as tentativas do Ministro da Educação Aloizio Mercadante de comprar seu silêncio a pedido do governo federal.

Governo Dilma tentou comprar o silêncio de Delcídio do Amaral

O cenário político em Brasília vai de mal a pior e quando parece que nada pode ser tão ruim, outra bomba cai sobre o Planalto. O senador Delcídio do Amaral entregou nesta terça-feira (15) a PGR - Procuradoria-Geral da República gravações, onde o Ministro da Educação Aloizio Marcadante, tenta negociar com o assessor de Delcídio a compra do silêncio do senador, em uma tentativa "desesperada" de que ele não fechasse o acordo de delação premiada, junto a Polícia Federal, na operação Lava Jato.

Delcídio entrega a tentativa do governo de silenciá-lo a PGR

Delcídio do Amaral vai deixar um rastro de destruição por onde sua delação premiada passar.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o senador, Mercadante procurou inúmeras vezes Eduardo Marzagão, assessor de Delcídio, na tentativa de silenciá-lo. Ainda de acordo com a delação o Ministro Aloizio Mercadante, ofereceu ajuda financeira e lobby junto ao STF - Superior Tribunal Federal, para conseguir a libertação do senador, em troca, Delcídio manteria o silêncio e não faria a delação premiada.

A Folha de S. Paulo teve acesso ao quito termo da "colaboração" premiada do senador Delcídio do Amaral, onde ele relata a ofensiva feita pelo Ministro Mercadante, afim de garantir seu silêncio.

Conheçam alguns trechos da delação premiada onde Mercadante é citado

De acordo com a Folha de S. Paulo, Delcídio do Amaral, cita o nome de Aloizio Mercadante inúmeras vezes, confiram:

O senador Delcídio afirma que, "Mercadante agiu como emissário da Presidente da República e, portanto, do governo".

Publicidade

"Aloizio Mercadante, em tais oportunidades, disse a Eduardo Marzagão (assessor de Delcídio) para o depoente ter calma, e avaliar muito bem a conduta a tomar", diz parte do depoimento do senador.

"Mercadante disse que a questão financeira e, especificamente, o pagamento de advogados, poderia ser solucionado, provavelmente por meio de empresa ligada ao PT", afirmou Delcídio do Amaral.

Senador afirma aceitou o acordo de delação, pois não recebeu solidariedade do governo

Delcídio do Amaral afirma ainda que decidiu fazer o acordo de delação, pois não sentiu firmeza no apoio do governo em ralação ao seu caso e que esperava maior solidariedade.

Por fim Delcídio se compara a Marcos Valério que foi abandonado a própria sorte, e está pagando um preço muito mais alto que deveria.

1,5 milhão de reais serão devolvidos aos cofres públicos

O senador se comprometeu a devolver 1,5 milhões de reais aos cofres públicos, como parte do acordo da delação premiada, por seu envolvimento direto no esquema de #Corrupção da Petrobrás, investigada pela #Lava Jato.  #Crise