Deltan Dallagnol, Procurador da República e coordenador da #Lava Jato no Ministério Público, afirmou que as investigações da Lava Jato são apenas uma pequena parcela da dimensão do problema da corrupção no país e declarou que a mesma é somente uma amostra do que pode estar por trás de órgãos governamentais do Brasil. O Procurador declara ainda que a #Corrupção é sistêmica e tem longevidade, ou seja, Dallagnol conclui que o país sofre constantes ataques ao patrimônio público há décadas e é preciso uma mudança complexa nas leis do país, porque a corrupção é profunda e muito além da Lava Jato.

Mudanças

A afirmação de Deltan Dallagnol de que o país precisa de mudanças se refere às leis para punir crimes de enriquecimento ilícito por parte de agentes públicos.

Publicidade
Publicidade

Segundo o procurador, com base nos estudos nacionais e internacionais, o Brasil possui entranhado, em sua trajetória e DNA, a corrupção que corrói o país e que o estado precisa de transformações profundas, definitivas e sistêmicas.

Projeto de lei

O Procurador da República pede a mobilização do país para mudar estas leis já corrompidas e corroídas pelos crimes cometidos contra o patrimônio público. Ele diz que o processo de mudança é difícil e, por isso, precisamos de toda a sociedade mobilizada para que possamos promover e ensejar a caminhada rumo às oportunidades que se apresentam no momento. Afirmou ainda que aprovar projetos de leis no #Congresso Nacional é uma tarefa árdua e complexa e, portanto, é preciso uma nação unida e forte. Coordenador da força tarefa do Ministério Público Federal ( MPF) na operação Lava Jato, Dallagnol é especialista em crimes financeiros e é o segundo mais jovem procurador admitido pelo órgão.

Publicidade

No currículo do procurador constam mais de 200 horas de cursos sobre corrupção e lavagem de dinheiro. A sua experiência profissional relacionada à lavagem de dinheiro vem desde 2005 na força tarefa CC5 que desmantelou o esquema do dólar-cabo e onde conheceu pela primeira vez  o doleiro Alberto Youssef, denunciado e preso na Lava Jato. O jovem procurador, enfim, termina pedindo o apoio de todo o povo brasileiro no combate ao crime do colarinho branco no país.