Na última terça-feira (8), estiveram reunidos no Palácio do Planalto a presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula, o ministro da Casa Civil Jaques Wagner, Ricardo Berzoini da Secretaria de Governo e Edinho Silva da Comunicação Social, todos do PT. A pauta era pressionar para que #Lula assuma uma pasta no governo, com a finalidade de obter foro privilegiado e evitar as possíveis consequencias da Operação Lava Jato. Duas opções foram cogitadas: Relações Institucionais e Relações Exteriores. Ricardo Berzoini defendeu a estratégia: "quem não quer Pelé em campo?"

Caso a nomeação se confirme, o juiz Sergio Moro, responsável pela Lava Jato, estaria impedido de denunciar ou prender o ex-presidente.

Publicidade
Publicidade

Nas redes sociais rapidamente espalhou-se a hashtag #lulaministro. A intenção era apoiar Lula, porém os comentários que se seguiram não são favoráveis. A maioria das pessoas que comentou a hashtag escreveu que esta é mais uma manobra petista para livrar o ex-presidente das investigações.

Ministério Público de São Paulo sai na frente

Antes que fosse tomada qualquer decisão por parte de governo, o Ministério Público de São Paulo, que investiga o caso de favorecimento ilícito relativo à propriedade de um apartamento triplex em Guarujá, denunciou criminalmente Lula e sua esposa Marisa Letícia por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Protocolada na #Justiça nesta quarta-feira (9), a denúncia inclui outras 14 pessoas, entre elas o filho do casal Fábio Luiz Lula da Silva, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro e o ex-presidente da Bancoop.

Publicidade

A denúncia refere-se especificamente ao triplex do Condomínio Solaris, que está em nome da OAS.

Segundo o promotor Cássio Conserino, após longa investigação, concluiu-se que houve crime de lavagem de dinheiro na tentativa de ocultar o verdadeiro dono do imóvel. Há provas de que a OAS pagou R$777 mil pela reforma do apartamento. A defesa de Lula afirma que ele possuía uma cota do empreendimento no valor de R$ 47 mil, cujo resgate foi pedido no ano passado. O Instituto Lula sustenta que o ex-presidente não cometeu ilegalidade e que não é o proprietário do triplex.

Lula e Marisa podem se tornar réus

Conforme informação do Instituto Lula, há um recurso no Supremo Tribunal Federal sobre a competência das investigações, se devem prosseguir no âmbito estadual ou federal.

Caso a denúncia seja acatada pela Justiça, Lula, Marisa e os outros denunciados se tornam réus. Resta saber se o PT persistirá na tentativa de evitar que as investigações sigam adiante, ou se chegará à conclusão de que uma ação neste sentido equivaleria à admissão da culpa.