A presidenta da República #Dilma Rousseff (PT) afirmou, em manifestação feita ao Supremo Tribunal Federal na noite desta segunda-feira, 21, que o juiz Sérgio Moro, líder da Operação #Lava Jato, “colocou em risco a soberania nacional”, quando o mesmo decidiu divulgar para a Grande Mídia o grampo telefônico que capturou uma conversa entre ela e o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva.

Ainda em seu manifesto ao STF, Dilma chamou de “ilação” a tese de que a mesma teria nomeado Lula como ministro chefe da Casa Civil para livrar o ex-presidente da República de continuar sendo investigado por Moro na Lava Jato em Curitiba (Justiça do Paraná), dando-lhe foro privilegiado.

Publicidade
Publicidade

Na gravação, Dilma avisa a Lula que vai enviar para ele o termo de posse. O áudio gerou muita discussão entre opositores e apoiadores do Governo. Esta gravação, especificamente, ocorreu quando o juiz Sérgio Moro já havia solicitado a interrupção dos grampos telefônicos ao ex-presidente Lula.

O texto de Dilma enviado ao STF foi assinado pela AGU (Advocacia-Geral da União). Além de questionar a divulgação do diálogo interceptado, a presidenta reforçou o pedido ao Tribunal de anulação da decisão de Gilmar Mendes de impedir a posse de Lula como ministro e a sua recondução às investigações feitas por Moro na Lava Jato.