A revista "The Economist" continua dando cobertura aos acontecimentos políticos no Brasil, só que desta vez o destaque foi para uma charge publicada na revista onde Dilma e #Lula são ironizados.

No desenho Dilma aparece correndo e puxando o ex-presidente Lula pela mão. Logo atrás vem uma multidão de manifestantes que trazem cartazes dizendo: "O Brasil já está cansado", Parem com a corrupção", "Vocês são uma vergonha" e também "Escândalos nunca mais".

Na charge, Dilma aparece dizendo: "Não se preocupe! Dilma e Lula nunca serão pegos por seus inimigos!"

Enquanto Lula responde: "Mas esses são os nossos aliados..."

Apesar de ser uma piada, a charge traz exatamente o que acontece hoje no Brasil:

  • os eleitores que votaram em Lula e depois em Dilma estão na rua protestando e querem o impeachment;
  • Lula ainda continua acreditando que pode contar com aliados que agora são da oposição;
  • Dilma, sem ter mais como se defender, já começa a correr dos problemas, ao invés de enfrentá-los.

Mas é claro que este ponto de vista é polêmico, sendo defendido por uns e criticados por outros e por isto o Brasil vive neste embate, com protestos a favor do impeachment e poucos dias depois protestos a favor de Dilma e de Lula.

Publicidade
Publicidade

Na mesma edição da revista que traz esta charge, também encontra-se um Editorial que faz duras críticas ao governo brasileiro e chega até mesmo a pedir a renúncia de #Dilma Rousseff. E até a capa da edição critica a petista, mostrando uma foto da presidente do Brasil com o texto: "Hora de ir".

Kevin Kallaugher, mais conhecido por Kal, é quem assina a charge e este cartunista tem como principal característica publicações políticas e claro, polêmicas também.

Esta não é a primeira vez que a "The Economist" faz críticas ao governo brasileiro e por ser uma das publicações mais influentes do mundo, acaba deixando o Brasil com a imagem bastante prejudicada.

A "piada" envolvendo Lula e Dilma divertiu muitas pessoas, mas deixou outras tantas revoltadas, pois não é a primeira vez que a "The Economist" critica a petista e a transforma em piada.

Publicidade

#Crise no Brasil