Segundo informações da revista 'Isto É', que teve acesso a informações de uma possível delação premiada do senador Delcídio do Amaral (sem partido - MS), o que ele relata à procuradoria Geral da Republica (PGR) poderá mais uma vez criar embaraços para o já conturbado governo da presidente Dilma Rousseff.

Segundo o que noticiou a revista, a presidente Dilma tentou interferir na Operação #Lava Jato, comandada pelo juiz paranaense Sergio Moro, interferindo no judiciário, nomeando ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) pessoas simpáticas aos réus da Operação Lava Jato.

Delcídio também citou detalhes da compra da refinaria de Pasadena pela Petrobras.

Publicidade
Publicidade

Neste primeiro momento, o delator apenas apresenta temas e alguns nomes que pretende detalhar  quando o acordo de delação for homologado pela justiça. O senador citou vários nomes, dentre eles o ex-presidente Luis Inácio #Lula da Silva. Delcídio nega que fez delação, mas a revista declarou na manhã desta quinta-feira (03) que o processo tem mais de 400 páginas. Nos depoimentos, ele acusou a presidente Dilma e também citou o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardoso, afirmando que ambos agiam para tentar soltar os presos da Operação Lava Jato. Cardozo deixou o cargo de ministro essa semana alegando fortes pressões do PT.

O ex-líder do governo no senado relatou que uma das interferências foi a nomeação do desembargador Marcelo Navarro. Essa ação foi discutida com a presidente Dilma no Palácio da Alvorada, e que sua tarefa era conversar com Navarro e alinhar sua atuação no STF com o compromisso de soltura de Marcelo Odebrecht e Otávio Marques de Azevedo, executivo ligado à Andrade Gutierrez.

Publicidade

Navarro cumpriu o combinado, mas seu voto foi voto vencido.

O encontro de Marcelo Navarro e Delcídio do Amaral aconteceu no Palácio da Alvorada e pode ser comprovado por imagens nas câmeras de segurança.

Essas informações caem como uma bomba no mercado, no mesmo dia em que o IBGE divulga os números do Produto Interno Bruto (PIB) de 2015, que teve uma retração de 3,8%. O setor produtivo já percebeu que a crise econômica está atrelada à crise política e tenta achar uma saída para aguentar o baque.

 

  #Corrupção