A assinatura falsa, feita em nome do deputado Vinícius Gurgel (PR-AP), para tirar o parlamentar do Conselho de Ética está sendo visto como uma manobra política do presidente da #Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), junto com seus aliados. Dessa maneira, Cunha foi questionado nesta quarta-feira (9) sobre o fato e respondeu dizendo que a assinatura não é relacionada com ele. Na curta declaração, #Eduardo Cunha apenas disse que qualquer pessoa que cometa um ato ilegal deve ser investigada.

Entenda o Caso

Na noite do último dia 'º, Eduardo Cunha tentou adiar a votação do seu caso no Conselho de Ética por meio de vários discursos e falas dos seus aliados.

Publicidade
Publicidade

Mesmo assim, Cunha não conseguiu evitar a votação que. de forma apertada (11 a 10), decidiu que o processo contra o deputado federal continuasse.

O deputado Vinícius Gurgel, que fazia parte do Conselho, não estava presente, sendo assim, um suplente do PT (que é contra Cunha) seria escolhido para o lugar de Gurgel. De alguma maneira, um documento com a renúncia de Gurgel do Conselho apareceu, entrando no lugar o deputado Maurício Quintella Lessa (PDT-AL), indicado pela bancada aliada de Eduardo Cunha.

Hoje, o caso explodiu com a revelação do jornal Folha de São Paulo que, por meio de laudos periciais, comprovou que a assinatura contida no documento de renúncia era falsa. O caso chegou de forma rápido à Câmara de Deputados, que no próprio Conselho de Ética teve o caso debatido.

Sobre a assinatura, o deputado Vinícius Gurgel tentou se explicar dizendo que bebe e que poderia estar de ressaca, o que prejudica na forma de escrever.

Publicidade

Gurgel continuou com a explicação dizendo que poderia ter ingerido bebidas alcoólicas um dia antes de fazer assinatura, que segundo o deputado, aconteceu de forma rápida em um aeroporto. 

Sobre a assinatura, o jornal Folha de São Paulo publicou que pode se tratar de uma falsificação "grosseira" e "primária". De acordo com a publicação, o laudo dos peritos apontam ainda que a escrita é semelhante a tentativa de falsificar por "processo de imitação lenta".  #Crise no Brasil