Que a popularidade da presidente da República, Dilma Rousseff (PT), e do presidente da Câmara dos Deputados, #Eduardo Cunha (PMDB-RJ), não está nada boa é de conhecimento geral, mas qual dos dois será que está com a situação pior perante a visão da população brasileira?

O Instituto Datafolha divulgou duas pesquisas no início dessa semana em que buscavam entender a opinião dos eleitores com relação à situação de Eduardo Cunha e #Dilma Rousseff. Os entrevistados tiveram que responder se apoiavam a cassação do deputado e se eram favoráveis ao impeachment da presidente.

Entre as pessoas pesquisadas, 78% declararam ser a favor da cassação de Cunha.

Publicidade
Publicidade

Já na outra pesquisa, 60% afirmaram que apoiam o impeachment da presidente Dilma. Quando questionados sobre uma possível renúncia, 76% dos entrevistados disseram que Eduardo Cunha deveria renunciar, enquanto 58% disse que apoia uma possível renuncia de Dilma.

A situação de Eduardo Cunha perante a opinião pública só aumenta. Na última pesquisa Datafolha divulgada em dezembro, o número de pessoas que defendiam uma renúncia de Cunha era de 65%.

Já a aprovação da presidente Dilma Rousseff teve uma melhora quase que imperceptível. Na última pesquisa em dezembro, 65% reprovavam o Governo Dilma, dessa vez, esse número caiu para 64%,diferença essa que está dentro da margem de erro do estudo.

Nas pesquisas, foram ouvidos 2.768 pessoas em 171 municípios entre os dias 24 e 25 de fevereiro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, segundo o Instituto, e o nível de confiança é de 95%.

Publicidade

Economia e Congresso

Outros dois itens foram pesquisados. A situação da economia foi algo avaliado no estudo. Desde a última pesquisa, 80% consideram que a economia piorou, 14% que ficou estável, 5% que melhorou e 1% não sabem opinar. Os entrevistados também afirmaram que sua própria situação econômica piorou, para 49%. Para outros 38% ficou como estava, 12% melhorou e 1% não sabem.

Já a visão da população para com o Congresso melhorou. Em dezembro, a do trabalho dos parlamentares era de 53%, agora em fevereiro caiu para 48%.