O Ministério Público pediu a prisão imediata de Luiz Estevão, acusado por desvio de verba pública, a ordem foi dada pelo juiz federal  Alessandro Diaferia. O ex-senador teria desviado verbas que eram destinadas a construção da obra do Fórum Trabalhista, na década de 1990. A sede localizada na cidade de São Paulo sofreu o desvio de R$169 milhões, em valores de 2001.  Além de Estevão., também recebeu ordem de prisão o empresário Fábio Monteiro de Barros Filho pelo mesmo crime.

A fraude teve início a partir da licitação para construtora Incal em 1992. A partir daí o empresário foi associado ao ex-senador. Começaram então a receber o dinheiro destinado a obra.

Publicidade
Publicidade

Nicolau dos Santos Neto, juiz responsável pela fiscalização da obra do Fórum, autorizava a fraude, ao receber parte do dinheiro. Em 1998, foi apontado pelo Ministério Público que só 64% da obra foi concluída, sendo que 98% havia sido liberado.

A obra foi investigada por uma CPI na Câmara em 1999, onde comprovou pagamentos vultuosos a empresas de Fábio Monteiro de Barros e ao grupo OK de Luiz Estevão. O senador teve seu mandato cassado no ano 2000.

Condenado a 31 anos de cadeia em 2006, o ex-senador foi acusado por crimes de peculato, estelionato, #Corrupção ativa, uso de documento falso e formação de quadrilha. Após a condenação, entrou com recursos, 34 no total, apesar de terem sido rejeitados pela justiça, serviram para que a prisão fosse evitada.

O novo entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal) foi seguido no mandado de prisão.

Publicidade

Nele, condenados em segunda instância já podem começar a cumprir suas penas. Antes era fundamental que todas as possibilidades de recursos fossem esgotadas. Com a prescrição dos crimes de documento falso e formação de quadrilha, a pena dada aos dois já havia sido diminuída para 25 anos.

Atualmente Luiz Estevão cumpria prisão domiciliar em bairro nobre de Brasília, depois de cumprir pena em regime semiaberto. Em março de 2015, ele foi preso acusado de falsificar documentos. A pena foi de três anos e seis meses.  #Governo #Congresso Nacional