O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (#PSDB) em entrevista a reportagem do jornal estadão afirmou que a única saída para a grave crise política, econômica e social que o país vive é o impeachment da presidente #Dilma Rousseff e que está estarrecido com a atual situação de #Lula.

Fernando Henrique defendeu o impeachment da presidente Dilma Rousseff e que a legitimidade desse atual processo de impeachment não vem de Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados e responsável pela abertura do processo de impeachment e sim da voz do povo que protesta nas ruas sendo que, na sua visão, o ápice dessa vontade de mudança no governo, aconteceu no último dia 13 de março quando milhões de brasileiros foram às ruas gritar contra o PT e a favor do impeachment de Dilma.

Publicidade
Publicidade

Em caso de impeachment FHC quer que o PSDB contribua com Temer mesmo sem conquistar ministérios no governo

FHC deseja que após o impeachment de Dilma, o PSDB contribua com o novo governo para dar um novo rumo ao Brasil, mesmo que não haja um acordo político com a concessão de cargos ministeriais e que o importante é que haja comprometimento, responsabilidade e principalmente respeito ao povo.

“O nosso presidente terá como principal missão unir o país e transmitir uma imagem de respeitabilidade, responsabilidade, cuidado com as palavras e provar que é capaz de dar atenção ao povo”.

FHC diz estar estarrecido com a situação de Lula e que ele enterrou a própria história

 “É triste ver o Lula enterrar a própria história” afirmou FHC que conhece Lula há décadas desde seu início como sindicalista em São Bernardo do Campo, São Paulo.  E que realmente sente tristeza ao ver a atual situação de Lula.

Publicidade

“Bem ou mal, Lula teve um papel no Brasil”. Afirmou FHC que também fez questão de lembrar o momento histórico em que passou a faixa presidencial a Lula em 2002.

“Com muita emoção eu passei a faixa a ele, foi um momento denso e histórico”.

No final da entrevista, perguntado se Michel Temer tem condições de liderar o país nesse delicado momento, ele afirmou: “A história faz o líder”.