O dia 16 de março de 2016 ficará marcado para sempre na história do Brasil e isto já ia acontecer pelo fato de #Lula ser nomeado Ministro da Casa Civil, mas o dia foi marcado por uma notícia ainda mais bombástica, pois foi divulgado o grampo autorizado pelo juiz Sérgio Moro mostrando entre outras coisas uma conversa entre Dilma e Lula que se tornou o grande assunto do dia.

Os brasileiros saíram às ruas, fizeram panelaços e em muitas cidades as ruas e avenidas foram fechadas. As pessoas começaram a sair para a rua logo após o expediente de trabalho onde manifestavam sua indignação por #Dilma Rousseff convidar Lula para a Casa Civil e os protestos foram crescendo por São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Goiás, Paraná e vários outros estados.

Publicidade
Publicidade

Em Brasília o protesto acabou em confronto entre os policiais e os manifestantes, pois eles foram impedidos de subirem à cobertura do Congresso Nacional e muitos ficaram feridos. Um cordão de isolamento da polícia impedia os manifestantes de invadirem o Planalto.

O grampo telefônico realizado pela Polícia Federal flagrou uma conversa entre Dilma e Lula, porém esta conversa teria sido gravada depois que o juiz Sérgio Moro determinou a suspensão das gravações que foi expedida às 11h12, desta quarta-feira e o delegado foi informado às 11:44 por outro despacho. A conversa entre Lula e Dilma chegou a ser gravada às 13h32 e mostra que Lula enviou o "termo de posse" para ele usar o documento em caso de necessidade.

E teve uma parte polêmica, do grampo telefônico divulgado que se tornou um dos assuntos mais comentados do Twitter.

Publicidade

No grampo realizado pela Polícia Federal, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e atual ministro da Casa Civil afirma: "Faz um movimento da mulher contra esse filho ****. Porque ele batia mulher, levava ela pro culto, deixava ela se f****, dava chibatada nela. Cadê as mulheres de grelo duro do nosso partido?"

Lula disse isto cobrando uma posição das petistas famosos, que dizem ser feministas e que afirmam lutar pelos direitos das brasileiras, buscando igualdade e respeito para elas.

E o que não faltou foi gente comentando este trecho do grampo.

#Crise no Brasil