Os movimentos a favor do impeachment, “Vem Pra Rua” e “Diferença Brasil”, criaram um “placar” gigante próximo a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, onde mostram como supostamente votam cada um dos membros da Comissão Especial do #Impeachment. Segundo os organizadores da intervenção informaram ao G1, o objetivo é “motivar a população a estar acompanhando o posicionamento dos seus parlamentares”.

A ação é dividida em duas partes: a primeira conta com uma peça em que estão três opções; A favor (em verde e amarelo), Indecisos (com a imagem de um muro) e Contra (na cor vermelha). Em cima desses três objetos existe uma lona escrita: "Placar da Comissão do Impeachment".

Publicidade
Publicidade

Na segunda peça, estão divididos pelo gramado placas com os rostos de cada um dos deputados que formam a Comissão do Impeachment posicionados onde supostamente irão votar - e com as mesmas referências de cor: verde e amareço para alguns e vermelho para outro.

Segundo o “placar do impeachment” desses movimentos, no momento, seriam 41 votos a favor do impeachment da presidente Dilma, 21 contrários a saída dela e outros 4 parlamentares estariam indecisos quanto seu posicionamento. Os representantes informaram que chegaram a esse placar pelas declarações dadas pelos deputados a imprensa.

Andamento do processo

Desde a instalação da Comissão Especial do Impeachment, dia 17 de março, começou a contar um prazo regimental de dez sessões para que a presidente Dilma possa apresentar sua defesa. Na sequência, a Comissão terá mais cinco sessões para colocar em votação o parecer contra ou a favor da continuidade do processo de impeachment.

Publicidade

Sendo aprovado na Comissão, o parecer será incluído na ordem do dia 48h depois. Ele deverá ser votado em plenário e precisará de no mínimo 342 votos para passar.

Aprovado, será enviado para o Senado, onde será votado uma sessão presidida pelo presidente do STF, Ricardo Lewandowski. Com 41 votos, a presidente será afastada por até 180 dias ou até que a decisão final seja tomada. O impeachment só é aprovado em definitivo se conseguir 54 votos no Senado. #Dilma Rousseff