Na manhã de hoje, 04, carros da Polícia Federal chegaram à casa do ex-presidente Lula, localizada em São Bernardo do Campo. A polícia chegou por volta das 6h da manhã e levou o ex-presidente em camburão para o Aeroporto de Congonhas, na capital paulista. Ele está lá desde às 8h da manhã prestando depoimento. Ele foi alvo de mandado de condução coercitiva, que significa que teve ir depor sobre o caso obrigatoriamente. A determinação foi feita pelo juiz Sérgio Moro.

A ação aconteceu apenas um dia após vazar detalhes da delação premiada de Delcídio do Amaral (PT-MS). Apesar disso, foi informado que as buscas de hoje não têm a ver com o vazamento.

Publicidade
Publicidade

Na delação, Delcídio teria afirmado que #Lula tentou comprar o silêncio de Cerveró, enquanto Dilma Rousseff tentou evitar a punição de empreiteiros pela Operação #Lava Jato.

De acordo com o Ministério Público Federal em nota, Luiz Inácio Lula da Silva foi um dos principais beneficiários dos crimes cometidos pela Petrobras. A suspeita é de que ele recebeu dinheiro da Petrobras para reformar o tríplex no Guarujá e o sítio em Atibaia, além de ter recebido valores para palestras e doações.

O procurador do MPF disse que o vazamento de informações prejudica as investigações. Ele também afirmou que a presidente Dilma não é investigada.

Dilma se reúne com ministros 

Com tudo isso acontecendo, Dilma convocou reunião para hoje com todos os seus mais próximos ministros para discutir a nova estratégia do governo no cenário.

Publicidade

No momento, de acordo com a Folha de S. Paulo, auxiliares da presidente estão estudando qual deve ser a reação de seu governo sobre a ação contra Lula.

O Palácio do Planalto acredita que a situação fragiliza ainda mais o governo. A Folha publicou que auxiliares de Dilma afirmam que esse é o "movimento mais forte" da Lava Jato e que se houver provas materiais contra o ex-presidente, as consequências serão "imensuráveis". Caso contrário, acreditam na desmoralização de Moro e da Operação.

Dilma xingou Delcídio

Em reunião de emergência ontem, 03, com seus principais auxiliares após o vazamento da delação premiada de Delcídio do Amaral, Dilma ficou nervosa, andando de um lado para o outro, batendo na mesa com as mãos e xingou Delcídio. Ela também ordenou divulgação de nota, que mais tarde foi criada afirmando que o governo repudia o uso abusivo dos vazamentos. #Corrupção