O cenário político do Brasil se tornou um caos nas últimas semanas. Acontecimentos, como, por exemplo, a operação Lava Jato, o pedido de #Impeachment da presidente Dilma, a divulgação de conversas telefônicas entre a presidente Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo juiz federal Sergio Moro, a lista da Oderbrecht com o nome de supostos envolvidos em esquemas de propinas e o desligamento do PMDB com o governo #Dilma Rousseff são alguns dos fatos que botaram ainda mais lenha fogueira da atual conjuntura política brasileira. A cada dia que passa novas informações são liberadas e vêm mostrando ao povo brasileiro que Brasília está sim lotada de lobo em pele de cordeiro.

Publicidade
Publicidade

Impeachment no vice-presidente Michel Temer?

A última bomba divulgada veio da coluna da jornalista Mônica Bergamo, do jornal Folha de São Paulo. Segundo a colunista, um grupo de advogados que integram a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), estão estudando a hipótese de apresentar um pedido de impeachment contra o vice-presidente da república, Michel Temer (PMDB/SP). Lembrando que o PMDB (partido de Temer), anunciou ontem o desligamento com o governo de Dilma Rousseff (PT). Porém, a intensão deste grupo de advogados citado por Bergamo é que, caso o pedido de impedimento contra Dilma seja aprovado e o cargo de presidente fique com Temer, o mesmo não possa tomar posse do governo.

Segundo a notícia publicada pela colunista da Folha, os advogados alegarão que Michel Temer também participou das “pedaladas fiscais” usadas para o pedido de impeachment contra a presidente. Pois assim como Dilma, o vice-presidente também deve ser responsabilizado pelas “irresponsabilidades” cometidas no governo do qual faz parte; outro fato que também será usado no documento é que Temer (assim como Dilma) também foi citado na delação do Delcídio do Amaral.

Rompimento do PMDB com o governo 

Foi anunciado ontem (29) o desligamento do PMDB com o governo da presidente Dilma Rousseff.

Publicidade

Após uma reunião no diretório nacional do partido comandada pelo senador Romero Jucá (PMDB-RR), foi oficializado o rompimento, “o PMDB se retira da base do governo da presidente Dilma Rousseff e ninguém no país está autorizado a exercer qualquer cargo federal em nome do PMDB", enfatizou Jucá.

  #Crise no Brasil