A crise política que se abate sobre a República brasileira, parece não  enxergar, até o momento, a "luz no fim do túnel". O juiz Sérgio Moro, à frente da operação Lava-Jato, da Polícia Federal, enviou resposta ao Supremo Tribunal Federal (STF), já que atendeu a uma solicitação do ministro da Corte, Teori Zavascki, prestando esclarecimentos sobre a polêmica dos grampos que envolvem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e sobretudo, a presidente Dilma Rousseff, já que a mesma possui foro privilegiado.

Ofício ao STF

A resposta do juiz Moro ao STF  é um ofício em que contém cerca de 30 páginas, além dos dados transcritos referentes a doze gravações da Polícia Federal, em que o ex-presidente #Lula é captado em tentativa de obstrução de Justiça.

Publicidade
Publicidade

Os áudios, ainda de acordo com a PF, possibilitam afirmar que o sítio de Santa Bárbara, na cidade de Atibaia, no interior paulista, pertence, de fato, ao ex-mandatário do país, porém, algo negado por sua defesa.

Moro contradiz Lula

O juiz Moro esclarece ainda que Lula teve como propósito em sua nomeação a cargo de ministro chefe da Casa Civil da presidência da República, o intuito de "fugir" das investigações. Ainda, de acordo com o juiz federal paranaense, "Lula quis intimidar, obstruir as investigações de que era alvo", segundo o magistrado.

Apesar de Moro ter pedido desculpas quanto à polêmica gerada pela divulgação dos áudios que arremetem sobre a conduta do ex-presidente Lula, o mesmo (Moro) afirmou que seguiu rigidamente, conforme à Constituição Federal, em relação à prática prevista de permitir a "publicização", quando há claro interesse público.

Publicidade

O magistrado paranaense conclui ainda, em seu ofício ao STF, que, de acordo com um dos áudios captados nos grampos da PF, Lula afirma que "eles têm que ter medo", em alusão aos investigadores da força-tarefa. O juiz esclarece ainda em seu ofício enviado a mais alta Corte brasileira, que em outros áudios também se revela a tentativa de intimidação do Poder Judiciário, por parte do ex-presidente, principalmente, em se tratando das autoridades responsáveis por todas as apurações dos crimes relacionados. #Lava Jato #Crise no Brasil