No momento, o que mais preocupa o governo Dilma Rousseff é o afastamento do PMDB, que está para ser confirmado amanhã, dia 29. Sem contato com o vice-presidente Michel Temer, Dilma pediu para #Lula tentar uma aproximação, porém o ex-presidente não obteve sucesso nesta última semana, e hoje, segunda (28), haverá mais uma tentativa. Lula já não é mais visto no governo como antes, devido ele fazer parte das investigações da Lava Jato, isso proporcionou que o ex-presidente perdesse sua influência de chefia. Michel Temer não atendeu às chamadas telefônicas do ex-presidente, com isso, resta pouca esperança de uma conciliação. Os próximos 15 dias serão decisivos para o processo do #Impeachment, em abril terminará o trabalho da comissão que analisa o caso e, até lá, deverão definir se a presidente continuará ou não no cargo.

Publicidade
Publicidade

Logo que chegou de Porto Alegre, onde passou o feriado, Dilma solicitou uma reunião com seus ministros no Palácio da Alvorada, para analisar a situação. O fato do PMDB não ser um aliado ao governo é o que mais preocupa Dilma.

A ausência do PMDB

Assessores da presidente acreditam que "só um milagre" irá fazer o PMDB mudar de ideia e que a decisão do partido é irreversível, podendo ter consequências em outras siglas como o PSD e o PP que também poderiam se desvincular do governo. Atualmente, o governo #Dilma Rousseff não tem os 171 votos fundamentais para bloquear o impeachment na Câmara dos Deputados, com isso, suspender o processo no Senado Federal seria árduo para a presidente Dilma. Uma saída do governo é conceder cargos e assegurar recursos para o deputados, conquistando-os.

Publicidade

Pelo detrimento da atuação de Lula, nem tê-lo na Casa Civil hoje faz sentido, já que a decisão está no Supremo Tribunal Federal (STF) e não deve ocorrer nesta semana, então o ex-presidente continuará como interlocutor do governo.

Feriado

Dilma Rousseff esteve na comemoração de aniversário da sua filha, Paula Araújo, no Rio Grande do Sul, que é mãe de seus netos, Guilherme, nascido em janeiro deste ano, e Gabriel de 5 anos. A presidente retornou para Brasília na noite de domingo, dia 27.