O ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva soltou um palavrão no meio de uma ligação telefônica com a presidente #Dilma Rousseff depois de ter feito seu depoimento para a Polícia Federal na última sexta-feira (04).

Um registro em vídeo feito horas depois do depoimento pela deputada federal Jandira Feghali (PC do B) traz à tona toda a revolta de #Lula com o todo o processo judicial ao qual está enfrentando.

A deputada registrava o momento em que Lula conversava com a presidente Dilma Rousseff e fazia um comunicado sobre a situação de Lula após o depoimento.

“Ele está muito tranquilo e com muita coragem e capacidade de guerrear”.

Publicidade
Publicidade

Também disse que Lula estava muito “seguro” nas informações que havia concedido para a Polícia Federal.

Logo no início da gravação, Lula visivelmente irritado solta um palavrão fazendo referência clara ao processo judicial que está enfrentando na Polícia Federal. “Eles que enfiem no c... todo o processo!”.

Confira o vídeo em que Lula visivelmente irritado solta o palavrão:

A gravação do vídeo ocorreu quando Lula e integrantes do PT se reuniram no diretório estadual do partido que fica situado na cidade de São Paulo.

Lula havia se reunido para se preparar para um discurso que faria momentos depois para militantes do partido que aguardavam do lado de fora do diretório.

No mesmo dia, agentes da Polícia Federal cumpriram os procedimentos da operação Aletheia, que fazem parte da 24ª fase da operação Lava Jato.

Publicidade

Uma grande mobilização de Agentes Federais cumpriram mandados de busca e apreensão de documentos, computadores e objetos que possam ser utilizados como prova para comprovar o grande sistema de #Corrupção de recursos da Petrobras envolvendo o pecuarista José Carlos Bumlai e empreiteiras em favor de bens de posse de Lula|.

Os pontos de busca e apreensão foram no apartamento de Lula em São Bernardo do Campo, seu sítio em Atibaia, o Instituto Lula, a casa dos filhos e em diversos outras residências e estabelecimentos que eventualmente possam armazenar provas que possam esclarecer a suspeita de ligações criminosas da Polícia Federal.