A situação do ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva está cada vez mais complicada e ele já pode ter sua prisão decretada nos próximos dias. Sabendo que não há mais como defender e que as provas apresentadas facilitam o pedido de prisão, Lula deverá aceitar a proposta da presidente #Dilma Rousseff para se tornar um de seus ministros.

O encontro entre Dilma e Lula está marcado para esta terça-feira (15) logo no início da manhã e será em Brasília, para que possam acertar os ajustes finais e Lula assuma o cargo o mais breve possível.

Uma das possibilidades é que Lula vire ministro da Casa Civil, assumindo no lugar de Jaques Wagner, ou então ele pode aceitar o cargo de ministro da Secretaria de Governo no lugar de Ricardo Berzoini.

Publicidade
Publicidade

Seja qual for a escolha de Lula, já está tudo acertado com os atuais ministros que aceitaram ceder a vaga para que o ex-presidente assuma o cargo rapidamente e se livre da prisão.

Mas tudo indica mesmo que Lula irá ser Ministro da Secretaria de Governo, pois nesta posição ele não terá que ficar se envolvendo com muitas burocracias tendo mais tempo livre para fazer algo muito mais importante para o PT que é tentar negociar com o PMDB uma forma de evitar que o processo de impeachment contra Dilma seja aberto.

Assim que o ex-presidente assumir o cargo de ministro ele passa a contar com foro privilegiado e desta forma não poderá mais ser investigado pelos procuradores de São Paulo e nem poderá ser incomodado nas investigações de Curitiba em relação à #Lava Jato.

Uma vez como ministro, as investigações passam para a Procuradoria-Geral da República, sendo supervisionadas pelo Supremo Tribunal Federal.

Publicidade

A ideia de dar a Lula um cargo de ministro surgiu assim que ele foi conduzido coercitivamente após decisão do juiz Sergio Moro. A oposição critica a manobra e até dentro do PT há aqueles que são contra, entre eles o prefeito Fernando Haddad.

A terça-feira será decisiva para sabermos se as investigações contra Lula continuarão normalmente ou se ele vai usar o cargo de ministro para evitar o risco de ser preso.