Um grupo de mais ou menos três pessoas protestou contra o senador Aécio Neves e contra o governador de São Paulo, #Geraldo Alckmin na Avenida Paulista.

Os três manifestantes gritavam, “Fora vagabundo”, e outras frases mandando o governador ir cuidar das escolas. No momento das falas contra os dois políticos, outros manifestantes gritavam ao mesmo tempo “Fora PT”, “Fora Dilma”.

De acordo com alguns jornalistas que estavam no local, houve muitos gritos chamando os candidatos do PSDB de ladrões e oportunistas. Ao contrário do que aconteceu em São Paulo, não houve manifestações contra o PSDB ou políticos do partido durante a manifestação contra a corrupção em Belo Horizonte.

Publicidade
Publicidade

Também foram vistas pessoas com alguns cartazes contra Eduardo Cunha e Renan Calheiros.

Na mesma Avenida, dezenas de outros manifestantes proferiram palavras de baixo calão contra o ex-presidente Lula.

Protestando e discursando contra a corrupção do PT, estava também o então investigado por lavagem de dinheiro, corrupção passiva e peculato, Agripino Maia, presidente do DEM, partido pelo qual o movimento (MBL), que organizou o protesto de hoje, pretende lançar candidatos para eleições municipais. O presidente do DEM tem três inquéritos abertos contra ele.

Além de lançar candidatos pelo Democratas, o movimento está planejando candidaturas pelo partido PSC, o qual aloja um radical religioso que é reconhecidamente contra os direitos da classe LGBT, o pastor Marco Feliciano.

De um carro de som em Brasília, o deputado Jair Bolsonaro fez discursos contra a corrupção do PT.

Publicidade

Além de contar como Bolsonaro como “orador”, os movimentos anti-PT contaram com a presença de religiosos radicais como Marco Feliciano e do pastor Silas Malafaia.

Denúncias contra os movimentos

Contra os grupos (MBL e Revoltados On Line) que fazem manifestações antigoverno pairam denúncias como venda de produtos sem nota fiscal, conforme uma matéria de um jornal de grande circulação no Brasil, o movimento nega que seja uma empresa formal, subentende-se que, para eles, não há necessidade de fornecer notas fiscais dos produtos que comercializam.

Os vídeos com os discursos e manifestações contra os políticos estão disponíveis no YouTube. #Dilma Rousseff #Impeachment