Nesta quinta-feira (30), o ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse que um processo de #Impeachment aberto sem fato jurídico transparece como golpe.

Antes de uma sessão no Supremo Tribunal Federal, o ministro conversou com jornalistas. Para ele, impedir a presidente #Dilma Rousseff de continuar no cargo não resolveria a crise pela qual o Brasil está passando.

Mais cedo, em mais uma fase de lançamento do programa Minha Casa, Minha Vida, a presidente Dilma negou qualquer crime de responsabilidade em seu #Governo, e classificou o processo como 'golpe', segundo ela não existem motivos para impeachment.

Publicidade
Publicidade

Aurélio afirmou que, caso o processo não se baseie na juridicidade, o pedido pode ser classificado como golpe. Assim, para que não transpareça como golpe, o pedido deve se enquadrar em um figurino legal, pois, caso o processo não se enquadre, o STF poderá discutir a questão e demonstrar que não há fato jurídico capaz de impedir a presidente.

O ministro pediu entendimento e compreensão para resolver a crise política no país.

Marco ainda disse que não entendia o motivo da tentativa de inviabilização da “governança pátria”.

Controvérsia da abertura do impeachment

O pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff foi aceito pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, no início de dezembro de 2015. Desde a autorização de abertura do processo contra Dilma, o PT acusou o então presidente de ter aceitado o pedido de impeachment somente por causa dos votos que o partido fez contra ele no Conselho de Ética da Câmara.

Publicidade

Os votos do PT eram decisivos para a abertura da investigação contra ele.

Antes de aceitar o pedido de impeachment alguns jornais noticiaram que pessoas ligadas a Cunha haviam informado que ele iria aceitar o pedido caso os representantes do Partido dos Trabalhadores votassem contra ele no Conselho.

O processo contra Cunha corre até hoje e pode fazer com que ele perca o cargo de presidente. O PMDB oficializou, nesta terça-feira (29), a saída da base do governo, depois de uma reunião de 3 minutos.