Após 11 meses na frente do Ministério do Turismo, Henrique Alves (PMDB) pediu na tarde desta segunda-feira (28), o desligamento do governo de Dilma Rousseff. A informação foi confirmada pelo próprio ministro através de mensagem.

Segundo Alves, a decisão foi “difícil”, mas "consciente e coerente". “Pensei muito antes de fazer isso”, relatou o ministro na carta. O peemedebista agradeceu a confiança da presidente durante o tempo que passou à frente do ministério.

A decisão aconteceu após as vésperas do encontro do diretório nacional do PMDB, que pretende romper com o governo de todas as lideranças do PMDB. A ideia é desembarcar do governo Petista.

Publicidade
Publicidade

Nesta terça-feira (29) o ministro sai da base governista.

Na carta redigida por Henrique Alves, ele cita o vice-presidente e diz que “o momento nacional coloca agora o PMDB, meu partido há 46 anos, diante do desafio de escolher o seu caminho, sob a presidência de meu companheiro de tantas lutas, Michel Temer”.

“Todos — o governo que assumi e o PMDB que sou — sabem que sempre prezei o diálogo permanente. Diálogo este que –lamento admitir– se exauriu”, redigiu o ministro na carta.

Alves finaliza o documento pedindo demissão por “coerência” e cita a “luta por um Brasil melhor”. Durante a carta ele se dirige diretamente a Presidente da República, #Dilma Rousseff.

“Estou certo de que sendo a senhora [Dilma] alguém que preza, acima de tudo, a coerência ideológica e a lealdade ao seu próprio partido, entenderá minha decisão”.

Publicidade

Esta é apenas a primeira etapa do desembarque de ministros do PMDB. A ideia era que os afastamentos começassem a ocorrer apenas a partir desta terça-feira, porém o ministro não quis esperar muito tempo e decidiu se livrar deste fardo.

O prazo para que os outros ministros se desliguem é até o dia 12 de abril.

O governo sabe que a situação atual é bem difícil com o cenário político que vem se desenhando com a saída de todos os peemedebistas. Tudo indica que até esta quarta-feira (30) muitos ainda sairão deste barco que continua a afundar. #Impeachment