As especulações dos últimos dias dão conta que o ex-presidente #Lula foi convidado, e já aceitou, a ocupar o cargo de ministro em algum ministério do Governo #Dilma Rousseff. Propenso a aceitar, como já teria informado a alguns companheiros petistas, o ex-presidente já acena para uma meta maior: as eleições presidenciais em 2018. Pelo menos foi o que ele falou em depoimento à Polícia Federal.

A transcrição do depoimento do ex-presidente foi divulgada pela Justiça na última segunda-feira (14). Em 109 páginas, foi possível acompanhar todos os questionamentos por parte dos delegados e do Ministério Público, além, claro, das respostas de Lula.

Publicidade
Publicidade

Um dos pontos que mais chamou a atenção durante o depoimento foi um “desabafo” feito por Lula já em uma de suas últimas respostas – pag. 107 da transcrição. Ao ser questionado sobre a possibilidade do ex-tesoureiro do #PT, João Vaccari Neto, ter recebido percentuais de contratos firmados e do possível conhecimento de Lula sobre esses percentuais, o ex-presidente iniciou sua resposta sobre a temática, mas logo na sequência começou a divagar:

"Eu não acredito que o Vaccari tenha acertado percentual com empresa pra receber, não acredito, não acredito. [...] Então, o que eu acho que nós estamos vivendo, nós estamos vivendo uma situação em que as pessoas são condenadas antes de serem julgadas. [...] É o que estão tentando fazer comigo agora, só que o que estão tentando fazer comigo vai fazer com que eu mude de posição, eu que estou velhinho, estava querendo descansar, vou ser candidato à Presidência em 2018 porque acho que muita gente que fez desaforo pra mim, vai aguentar desaforo daqui pra frente.

Publicidade

Vão ter que ter coragem de me tornar inelegível”.

Essa não é a primeira vez que o ex-presidente Lula fala sobre uma possível candidatura, mas, com certeza, é a mais incisiva e firme. Após esse mesmo depoimento, Lula se deslocou a sede do Partido dos Trabalhadores em São Paulo e fez um pronunciamento. Nessa fala, ele também tratou sobre uma possível candidatura, mas de forma hipotética, bem diferente do depoimento prestado junto à PF, em que Lula afirma categoricamente e com todas as palavras: “vou ser candidato à Presidência em 2018”.

Fica agora o desenrolar das investigações que envolvem o nome do ex-presidente para saber se Lula poderá mesmo se candidatar à presidência no próximo pleito ou sua carreira pública terá um fim trágico.

Leia na íntegra o depoimento do ex-presidente Lula à Polícia Federal