Uma informação bastante curiosa foi divulgada pela Operação #Lava Jato juntamente com as planilhas de pagamentos feitos pela Odebrecht para políticos no Brasil. Trata-se da forma como tais políticos eram definidos pela empreiteira: por meio de apelidos, um tanto um quanto inusitados.

Dentre os mais curiosos estão: “Nervosinho” (para o prefeito do Rio de Janeiro, o peemedebista Eduardo Paes), “Drácula” (para o senador petista Humberto Costa), “Lindinho” (para o também senador petista Lindbergh Farias), “Avião” (para a deputada estadual do PCdoB-RS, Manuela d’Ávila), e “Passivo” (para o ex-governador da Bahia Jaques Wagner, atual chefe de gabinete da presidenta Dilma Rousseff).

Publicidade
Publicidade

Os apelidos curiosos chamaram a atenção da imprensa e da opinião pública no país. Nas redes sociais, durante quase todo o dia de ontem, houve muita ironia por parte dos usuários com a publicação de diversos “memes” com os políticos apelidados.

Outros apelidos que despertaram as “zoações” das pessoas na internet foram: “Ovo” (para o governador de Santa Catarina Raimundo Colombo, do PSD), “Viagra” (para Jarbas Vasconcelos Filho), “Candomblé” (para o deputado estadual baiano Edvaldo Brito), “Pelé” (para o também deputado estadual baiano Nelson Pelegrino), e “Eva” (para o deputado estadual gaúcho Adão Villaverde), além de “Caranguejo” (para o presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha). #Curiosidades #Corrupção