O sonho da presidente #Dilma Rousseff de empossar o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva como Ministro Chefe da Casa Civil parece estar cada vez mais longe de acontecer, pois na tarde dessa terça-feira (22), uma nota foi divulgada informando que o nome de Lula não mais constará no Diário Oficial da União como novo ministro da Casa Civil.

Então, a partir de hoje, após a saída de Jaques Wagner (que assumirá a função de chefia do Gabinete Pessoal da Presidência), o novo nome que assumirá a Casa Civil será o de Eva Chiavon, que foi nomeada como Ministra Chefe da Casa Civil da Presidência da República Substituta.

A justificativa comunicada na nota de hoje para a retirada do nome de Lula foi a seguinte:

"A partir de hoje, o nome da Ministra Chefe da Casa Civil da Presidência da República Substituta, Sra.

Publicidade
Publicidade

Eva Chiavon, passará a constar do Expediente do Diário Oficial da União, em face da comunicação pelo Poder Judiciário de que foi suspensa a eficácia do ato de nomeação".

Mesmo com as intervenções do judiciário, Lula vinha sendo tratado como titular da pasta

Desde quinta-feira (17), o nome de Lula constava em Diário Oficial como titular da pasta, ou seja, mesmo com as interpelações judiciais que o impediram de exercer a função de ministro, a imprensa nacional considerava Lula como titular da pasta e não retirava seu nome do Diário Oficial.

A nota divulgada hoje também afirma que não houve nenhum ato assinado por Luiz Inácio Lula da Silva no cargo de ministro.

Apesar de não ser ministro, Lula continua em Brasília

O interessante dessa verdadeira novela a qual se tornou a posse de Lula como ministro, é que ele continua em Brasília desde segunda-feira.

Publicidade

Segundo fontes, sua função é agir como um “articulador informal do #Governo” e sua principal missão é conter a grande debandada do PMDB que está saindo da base aliada do governo e se posicionando a favor do processo de impeachment de Dilma.

Hoje por exemplo, notou-se o esforço de Lula nessa “função”, pois ele se reuniu para dialogar e conseguir apoio com o presidente do congresso Renan Calheiros e com o ex-presidente José Sarney.