Segundo informações apuradas pela TV Globo, executivos da empresa Andrade Gutierrez, que fizeram acordo de delação premiada informaram à PGR que foram pagos mais de 6 milhões de forma ilegal na campanha para a eleição da presidente Dilma em 2010.

Os delatores revelaram que os pagamentos foram feitos através de contratos falsos com a agência de publicidade Pepper, que trabalhou na primeira eleição de Dilma. Essas informações constam das delações do executivo Flavio Barra e do presidente afastado, Otávio de Azevedo. Os dois foram ouvidos pela PGR e revelaram envolvimento de políticos com foro privilegiado em suas delações. Os executivos da Andrade Gutierrez foram presos pela Operação Lava Jato, mas após acordo de delação estão cumprindo prisão domiciliar.

Publicidade
Publicidade

Segundo as delações, a empreiteira pagou ao caixa 2 da campanha presidencial, o equivalente a 6 milhões de reais - na prestação de contas ao TSE aparece como doação da empreiteira R$ 5,1 milhões. A solicitação de pagamento da dívida foi efetuada pelo atual governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), que foi um dos coordenadores da pré-campanha de Dilma. Pimentel foi ministro no primeiro mandato de Dilma.

O coordenador da campanha de 2010, José De Filippi Jr., disse que os pagamentos realizados pela Andrade Gutierrez foram todos contabilizados e aprovados pelo TSE.

Como os fatos relatados ocorreram na campanha de 2010, Dilma não corre o risco de ser cassada caso as denúncias sejam comprovadas.

A Andrade Gutierrez fechou um acordo em novembro do ano passado com a PGR, na qual se comprometia a pagar uma multa de R$ 1 bilhão e ainda a auxiliar nas investigações sobre o esquema de #Corrupção na Petrobras, em troca de alguns benefícios como redução de pena.

Publicidade

Operação Acrônimo

Os pagamentos da Andrade Gutierrez à Pepper foram apurados pela PF em outra investigação de um esquema de corrupção que envolve o governador de Minas Gerais. A investigação teve início com a prisão de Benedito de Oliveira Neto, conhecido como Bené, dono de uma gráfica que prestou serviços à campanha de Pimentel. Bené foi preso com R$110 mil em um avião no aeroporto de Brasília. Na primeira fase da Operação Acrônimo, a PF fez buscas no apartamento da esposa de Pimentel. #Dilma Rousseff