A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), por meio de seu presidente, Claudio Lamachia, entrará com um pedido no STF (Supremo Tribunal Federal) nesta sexta -feira (4) para ter acesso à integra da delação do senador Delcídio do Amaral (PT-MS). Lamachia afirmou que a ordem pode apresentar um novo pedido de #Impeachment mediante às revelações do senador, pois são casos graves de grande importância.

Delcídio, em depoimento à força-tarefa da Operação #Lava Jato, relatou que a presidente Dilma Rousseff nomeou o ministro Marcelo Navarro para o STJ (Superior Tribunal de Justiça) para que ele evitasse punição aos empreiteiros envolvidos na Lava Jato.

Publicidade
Publicidade

Se for comprovada a veracidade das informações, Lamachia disse nesta quinta (3), na sede da OAB em São Paulo, que isto é um fato gravíssimo e a instituição não faltará ao Brasil, mesmo que seja necessário a abertura do processo de impeachment da presidente. Lamachia também afirmou que irá convocar uma reunião extraordinária para definir os passos da instituição (OAB) assim que tiver acesso à íntegra da delação, e tomará as providências necessárias diante destes fatos. 

Acesso às investigações

Na semana passada, foi pedido ao juiz federal Sérgio Moro todos os documentos da Operação Lava Jato para um possível andamento no processo de impeachment. Claudio Lamachia disse ainda que tudo o que está acontecendo no Brasil é uma grande crise ética e moral e os termos da delação de Delcídio são fatos gravíssimos sem precedentes na República.

Publicidade

De acordo com Lamachia "se os fatos forem verdadeiros, estamos diante de uma verdadeira agressão ao Estado Democrático de Direito", afirmou o presidente da OAB.

Homologação no STF

Marcos da Costa, presidente da OAB de São Paulo, comentou que mesmo ocorrendo a falta de homologação da delação do senador Delcídio do Amaral pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, a importância das denúncias envolvidas na delação de Delcídio não serão invalidadas. Marcos completou dizendo que as denúncias devem ser sim apuradas. #Corrupção