As investigações da Operação Lava-Jato, da Polícia Federal, comandadas pelo juiz paranaense, Sérgio Moro, segue a passos firmes e certeiros no aprofundamento de todas as apurações que envolvem o ex-presidente da República, Luiz Inácio #Lula da Silva. Após as investidas da PF, num endereço localizado no bairro do Ipiranga, na capital paulista, onde foram localizados contratos de palestras realizadas pelo ex-presidente,soma-se a isso, as mais recentes descobertas pela Força-tarefa da Lava-Jato: todo um acervo, pertencente a Lula, e encontrado nas dependências do Banco do Brasil. A descoberta de um cofre foi comunicada pela força-tarefa, através de seus agentes ao juiz paranaense, Sérgio Moro.

Publicidade
Publicidade

Um relatório foi preparado pela PF, contendo várias fotos das peças encontradas. Todo o acervo foi localizado em uma sala-cofre, na Rua Líbero Badaró, em uma agência do Banco do Brasil.

Acervo robusto

De acordo com os relatos e apurações  dos agentes da Lava-Jato, o acervo possui uma quantidade de 133 peças, incluindo obras de arte e jóias preciosas, que o ex-mandatário do país recebeu de outros governantes, durante  período que era presidente. Até mesmo uma imagem de Jesus Cristo crucificado fora encontrada. O crucifixo havia desaparecido do Palácio do Planalto.

No interior das caixas de papelão encontradas no cofre, haviam também inúmeras peças decorativas, como: espadas, moedas e condecorações. Todas as caixas haviam sido depositadas na agência do Banco do Brasil, no dia 21 de janeiro de 2011, sem que houvesse qualquer custo no armazenamento para o responsável.

Publicidade

A operação

A operação realizada pela Polícia Federal, descobriu "por acaso" o cofre que continha peças atribuídas ao ex-presidente Lula. Tudo começou na sexta-feira (4), dia em que ele foi levado coercitivamente para depoimento, ocasionando que , assim que os investigadores se adentraram em seu apartamento, localizaram um documento que fazia referência ao cofre. A pista foi de extrema importância para a Força-tarefa, que pôde então, com consentimento do juiz Sérgio Moro, realizar as buscas autorizadas juntamente ao Banco do Brasil. #Lava Jato #Corrupção