A semana de #Lula começou tão tensa quanto a semana anterior terminou. Após saber que pode ser processado por improbidade administrativa com perda da elegibilidade para as eleições de 2018, o ex-presidente terá seus pertences analisados pela polícia.

Em um galpão localizado em São Bernardo do Campo estão dezenas de caixas e embrulhos com pertences que Lula tirou do Palácio do Planalto após o cumprimento de seu segundo mandato. Comumente, presidentes, assim como governadores, costumam retirar tanto de seu local de trabalho quanto da residência oficial, seus bens pessoais, bem como presentes que possam ter ganho ao longo do mandato.

Publicidade
Publicidade

No caso de Lula, aproveitando o gancho das investigações contra o mesmo, a polícia analisará se de fato os bens armazenados são todos do ex-presidente ou se há alguma coisa que pertence à União e que foi parar no local indevidamente. Até o momento não foi realizada a análise pretendida, mas o delegado Romário de Paula, que também coordena da força-tarefa, informou que os bens consistem em obras de arte, quadros e móveis.

Se houver algum item que não se enquadre nas características ou requisitos de ‘presentes’, Lula responderá judicialmente pelo crime de peculato.

Falta argumentos, sobra tensões

Essa semana pode ser decisiva para o ex-presidente petista, pois há uma proposta de delação para ser analisada pela PF e outras que já foram assinadas e podem vincular o nome de Lula.

Para amenizar a situação do PT, uma pesquisa misteriosa foi anunciada no perfil oficial do Vox Populi pelo Facebook, onde em poucas horas teve as votações encerradas.

Publicidade

Pouco tempo depois os resultados foram divulgados apontando que 57% dos brasileiros acreditam na inocência de Lula.

Muitas pessoas acreditam que a pesquisa foi respondida apenas por militantes petistas ou que os resultados foram ‘comprados’ pelo partido. Pelo sim ou pelo não, o instituto afirmou que foram ‘entrevistadas’ quinze mil pessoas através do formulário disponibilizado online.

Perigo no fim de semana

Militantes petistas planejam protestar nos mesmos locais que os manifestantes pró impeachment no domingo, 13 de março. Autoridades temem que haja violência generalizada, pois por mais que haja policiamento acompanhando todas as manifestações pelo Brasil, em meio de milhares de pessoas, as ações repressivas da polícia acabam sendo dificultadas. #Lava Jato #Polícia Federal