Documentos que foram apreendidos em 2007 e estão em poder da Polícia Federal, comprovam que o doleiro Nobert Muller abriu uma conta bancária secreta para o senador Aécio Neves (PSDB), no banco do principado de Liechtenstein. O local é conhecido como um dos paraísos fiscais mais fechados do mundo.

Entre os documentos apreendidos na casa do doleiro havia uma pasta com uma etiqueta escrita “Bogart e Taylor”; de acordo as informações da PF, este seria o nome que a sócia e mãe do senador Tucano teria escolhido para a fundação que, a partir de maio de 2001, administraria o dinheiro através da conta aberta secretamente no LGT.

A conta havia citada por Delcídio do Amaral (exPT), em uma delação premiada que foi homologada no STF.

Publicidade
Publicidade

A delação será investigada pela Procuradoria Geral da República na operação #Lava Jato.

Delcídio – Delação

Ainda de acordo com a Delação de Delcídio, o ex-deputado federal José Janene, falecido em 2010, havia afirmado para ele, que o senador “era beneficiário de uma fundação sediada em um paraíso fiscal, da qual ele seria dono ou controlador”.

Delcídio, que foi presidente da CPI dos Correios, afirmou em delação que Aécio havia interferido nas investigações.

De acordo com os documentos, somente a mãe de Aécio, Inês Maria e a irmã, Andréa Neves, poderiam movimentar a conta da fundação, mas ele constava como beneficiário.

A PF confirmou que nenhum dos envolvidos, Aécio, Andréa ou Inês, declarou a conta à Receita Federal ou ao Banco Central, caracterizando, assim, os crimes de ocultação de patrimônio, evasão de dividas e sonegação fiscal.

Publicidade

Procurados pela revista Época, ontem (16), que divulgou a reportagem, os três envolvidos não quiseram se pronunciar.

Através dos advogados, a família de Aécio informou reconhecer a veracidade dos documentos, mas disseram que a conta bancária foi aberta “sem conhecimento” da família, por outro lado, informaram que a fundação destinaria recursos para a educação de seus netos.

CPI dos Correios

Foi uma Comissão Parlamentar de Inquérito criada para investigar denúncias de #Corrupção nos Correios. A CPI teve a composição de 16 senadores e 16 deputados. A comissão tinha Delcídio como titular.

O início das denúncias surgiu quando foi divulgado um vídeo em que o ex-funcionário dos Correios, Maurício Marinho, negociava propinas com empresários que queriam fazer parte de uma licitação. No vídeo, ele dizia que o governo federal, através de Roberto Jefferson (PTB-RJ), tinha conhecimento.

A CPI também investigou e revelou um esquema de pagamentos ilegais a parlamentares, segundo investigações o operador do esquema era Marcos Valério Fernandes de Souza. #Aécio Neves