Lula da Silva teve seu Instituto pichado com frases ofensivas contra sua pessoa. Isso aconteceu na noite dessa sexta-feira(4). O portão da garagem do Instituto, que se  localiza na rua Pouso Alegre, no bairro do Ipiranga, amanheceu com frases contra o ex-presidente. O ocorrido se deu após um dia turbulento, no qual #Lula foi alvo da 24.ª fase da Ação #Lava Jato, chamada de Aletheia. A Polícia Federal vasculhou vários locais e o Instituto Lula foi o primeiro, logo pela manhã. Foram levados computadores, celulares e pendrives, por cerca de 60 policiais que também esquadrinharam o teto e reviraram os arquivos.

Palavras Pichadas

No portão se podia ler: "Lula ladrão.

Publicidade
Publicidade

Basta de corrupção e sua hora chegou corrupto". Uma testemunha, um homem que teria ido visitar um amigo na Unidade do Hospital São Camilo, que fica no mesmo bairro, assistiu à pichação. Segundo ele, eram três garotos e uma menina. O mesmo ainda fala que enquanto os menores pichavam a porta na maior tranquilidade, passavam motoristas insultando Lula. A pessoa se identificou apenas como Fábio H., preferindo não revelar seu sobrenome por motivo de segurança. Foi Fábio quem fotografou a porta e disse não haver policiais e nem seguranças particulares pela redondeza na hora da ação criminosa.

Já havia histórico de ataque ao Instituto Lula, recordando que em 31 de julho de 2015 ele foi alvo de uma bomba caseira. Tudo ocorreu também durante a madrugada, quando jogaram a bomba nessa mesma porta deixando um buraco.

Publicidade

Felizmente ninguém se feriu. Foi deliberado por José Eduardo Cardoso, ministro da Justiça na época, que o ataque fosse investigado pela Polícia Federal. Investigações que antes dessa determinação eram incumbência da Polícia Civil de São Paulo. 

O Instituto Lula é formalmente uma instituição filantrópica, elaborado pelo ex-presidente com o objetivo de partilhar conhecimentos sobre políticas públicas para combater a fome e a pobreza com os países da África, ajudando no resgate da história da luta pela democracia no Brasil.

Grandes empreiteiras que são alvo da Lava Jato, sob suspeita de desvios de fundos através  de contratos com a Petrobras, seriam os maiores patrocinadores do Instituto, de acordo com o Ministério Público Federal.