Teve início nesta sexta-feira, dia 04 de março de 2016, a 24ª fase da operação da Lava Jato. Essa fase, segundo informações repassadas pela #Polícia Federal, ocorre na cidade de São Bernardo do Campo, além de outros locais no estado de São Paulo e também na Bahia e no Rio de Janeiro (confira alguns números dessa operação no final desta matéria).

Essa operação foi batizada pela Polícia Federal de "Aletheia", expressão de origem grega que quer dizer "busca da verdade".

Lula como alvo da operação

O destaque para essa nova fase da operação Lava Jato, que envolve cerca de duzentos policiais federais, além de trinta auditores da Receita Federal que também fazem parte da operação, tem como objetivo principal o ex-presidente e sua família, sendo que Lula é alvo de busca e apreensão e condição coercitiva, quando a pessoa investigada é então obrigada a depor.

Publicidade
Publicidade

Logo pela manhã, policiais cercaram o Instituto Lula e também estiveram na residência do ex-presidente em São Bernardo do Campo-SP, onde ainda antes das sete da manhã acabaram levando o ex-presidente para prestar depoimento.

Ele foi levado em um carro descaracterizado da Polícia Federal, e até o momento não existem mais detalhes para onde foi, mas o que se sabe é que ele não irá prestar depoimento na sede da Polícia Federal em São Paulo, segundo noticiado durante o telejornal Bom Dia Brasil. 

Números da Operação

Segundo informações repassadas pela Polícia Federal, nesta 24° operação da Lava Jato batizada de "Aletheia", foram expedidos um total de 44 mandados judiciais. Destes, 33 são mandados de busca e apreensão e outros 11 de condução coercitiva, que como já citado anteriormente, é quando a pessoa investigada é obrigada a acompanhar os polícias e prestar depoimento. 

A ação acontece com atuação de duzentos policiais federais juntamente com trinta auditores da Receita Federal.

Publicidade

A operação teve início de forma simultânea nas seguintes cidades: Atibaia, Diadema, Guarujá, Rio de Janeiro, Salvador, Santo André, São Paulo, São Bernardo do Campo e em Manduri. #Corrupção #Crise no Brasil