A revista alemã Der Spiegel publicou uma reportagem nesta segunda-feira (21) em que acusa parte da oposição, o Judiciário e a TV Globo de tentarem o que o correspondente da revista chamou de “Golpe Frio”. Segundo ele, os três personagens tem feito uma espécie de caça às bruxas para prender o ex-presidente Lula.

Segundo a reportagem de Jens Glüsing, correspondente da revista, Sérgio Moro (atual juiz da Lava Jato) tem somente o objetivo de prender o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva.

O jornalista sugere que o sucesso subiu a cabeça do juiz e classifica que ele toma decisões políticas. Para ele, a divulgação, legalmente duvidosa, da ligação da presidente com o ex-presidente foi uma atitude considerada como política.

Publicidade
Publicidade

De acordo com ele, não existem, até o momento, provas que comprovem o envolvimento do ex-presidente Lula no esquema em que foi denunciado, mesmo depois dos agentes federais e promotores terem vasculhado a vida financeira e pessoal do ex-presidente.

Ele diz que Lula não tem “os milhões” na Suíça, como o “poderoso” Eduardo Cunha. Ele aponta que mesmo depois de um ministro do STF ter classificado o então presidente da Câmara dos Deputados de “criminoso” ainda assim ele permanece na presidência da Câmara e com a responsabilidade de coordenar o #Impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Jens considera que o fato de personagens como estes estarem em uma comissão para dirigir um processo de impeachment contra uma presidente, que ainda não foi comprovadamente culpada, “destrói a legitimidade de todo o processo”.

Publicidade

O jornalista também chama a atenção que na comissão para o impeachment da presidente, entre outros, há Paulo Maluf, ex-governador do estado de São Paulo que foi condenado na França.

Autoridades contra o impeachment

Nesta terça-feira (22), a presidente #Dilma Rousseff vai receber no Palácio do Planalto advogados, juristas, defensores públicos e promotores em um encontro chamado de “Em defesa da legalidade e da democracia”. Além de ações contra o impeachment, serão apontadas as “inconsistências” cometidas pelo juiz Sérgio Moro.