O trabalho do juiz Sérgio Moro na Operação Lava Jato tem rendido grandes elogios ao redor do mundo. Nesta semana, a renomada revista americana "Fortune" o colocou na lista dos principais líderes mundiais, concedendo um grande prestígio ao comandante das operações que investigam os desvios de verbas na Petrobras. Segundo a publicação, Moro seria um dos líderes "capazes de transformar o mundo".

E não é somente a revista americana que tem colocado Moro como um dos grandes exemplos de conduta. Nas manifestações a favor do #Impeachment e contra Luiz Inácio #Lula da Silva, o Lula, o juiz federal tem tido o seu nome gritado pelos quatro cantos do país.

Publicidade
Publicidade

No último dia 13, Moro, a Polícia Federal e o Ministério Público foram aclamados pelo povo que dominou as ruas das principais cidades brasileiras. Cerca de 3,6 milhões de brasileiros foram às ruas manifestar sua contrariedade com relação ao governo Dilma Rousseff e a Lula.

Na revista, o texto faz questão de destacar a postura de Moro em colocar no passado "a longa epidemia de corrupção na América Latina". Na sexta-feira (4), a Polícia Federal e o juiz Sérgio Moro surpreenderam o Brasil ao desencadear a condução coercitiva do ex-presidente Lula, que foi obrigado a prestar depoimento sobre a sua suposta participação em esquemas de corrupção envolvendo empreiteiras investigadas pela Operação Lava Jato.

O episódio ganhou muita repercussão e movimentou o cenário político brasileiro. Enquanto os oposicionistas comemoravam a atitude e torciam pela prisão definitiva de Lula, os militantes e defensores do atual governo se reuniam para defender e procurar maneiras de estar ao lado do ex-presidente no tão delicado momento.

Publicidade

13°

Mas, se depender única e exclusivamente da análise da revista "Fortune", Moro tem tido um grande desempenho na condução da Operação Lava Jato. A publicação o colocou com o 13° na lista, que reúne, ao todo, 50 importantes nomes. Na companhia de Sérgio Moro estão nomes indiscutíveis como a chanceler alemã Angela Merkel e o presidente argentino Maurício Macri, que venceu recentemente as eleições no país e interrompeu a duradoura era Kirchner no país vizinho ao Brasil.

No mesmo passo, a revista fez questão de dedicar linhas sobre o atual cenário político brasileiro, que recebe novos capítulos a cada dia e a cada semana. Mesmo assim, segundo ela, os resultados da Operação Lava Jato interferem radicalmente nos rumos do governo da petista Dilma Rousseff, que vive à sombra do processo de impeachment, que pode interromper o seu mandato. Na mesma linha, o ex-presidente Lula também sofre com a popularidade abalada e a imagem desgastada após as fases da operação.

Por fim, a revista ainda usa a ficção para desenvolver um raciocínio mais detalhado e um comparativo mais semelhante aos fatos da realidade.

Publicidade

O filme "Os Intocáveis" é tido como referência, e Moro é uma espécie de protagonista da produção, só que em uma edição real. O filme e o livro narram, de forma impecável e detalhista, a forma como foi feita a perseguição ao gângster Al Capone. #PT