Mais uma polêmica declaração foi dada hoje, sábado (26) pelo presidente nacional do #PT, Rui Falcão que inflamou os militantes do PT. Rui Falcão escreveu na sua página do Facebook a seguinte declaração: “As manifestações mostram o seguinte; queremos paz, mas não tememos a guerra”.

A declaração foi dada em apoio ao governo #Dilma Rousseff e também em defesa do ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva.

O manifesto de Rui Facão continuou da seguinte forma: "Vamos lutar e vamos defender o Estado Democrático de Direito. Se eles acham que haverá estabilidade derrubando a Dilma, eles estão muito enganados. A estabilidade somente virá com o fim do impeachment e a possibilidade do Brasil voltar a crescer."

Rui Falcão também se manifestou sobre o retorno de Lula ao governo e afirmou que ele é “ficha Limpa”

Em relação à possível posse de Lula na função de Ministro Chefe da Casa Civil ele escreveu: “Lula é ficha limpa, portanto, não há nenhuma razão para ele não ser ministro”.

Publicidade
Publicidade

A defesa de Lula protocolou, na última quinta-feira (24), sua defesa junto ao Superior Tribunal Federal tentando reverter a ação do ministro Gilmar Mendes que cancelou sua posse como Ministro Chefe da Casa Civil e também que determinou o retorno das investigações ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pela execução e comando da Operação Lava Jato em Curitiba, Paraná.

As declarações de Rui Falcão acontecem em meio à provável debandada do PMDB

Rui Falcão se manifestou em meio a uma verdadeira turbulência na base aliada do governo. O principal partido aliado do governo, o PMDB, pode oficializar seu rompimento na próxima terça-feira (29). A debandada do PMDB pode decretar de uma vez o impeachment de Dilma Rousseff.

Segundo informações do jornal Estadão, aliados de Michel Temer garantiram que há uma grande expectativa e também uma preparação para que o PMDB já assuma o governo em maio.

Publicidade

Por esse motivo, está ocorrendo uma mobilização nacional no meio empresarial e político para essa mudança no principal centro do poder do país.