O senador José Serra (PSDB-SP) garantiu que Michel Temer, vice-presidente do Brasil, já deve assumir todos os compromissos do país assim que #Dilma Rousseff for afastada da presidência. A entrevista foi para o "Estado" e o tucano acha que Temer não deveria se arriscar em uma reeleição para evitar qualquer tipo de interferência nas disputas municipais que irão acontecer nas eleições deste ano.

Serra também comentou sobre possíveis retaliações e se mostrou preocupado com o futuro incerto, achando que no caso do #Impeachment, o vice-presidente que assumirá o lugar de Dilma, precisa evitar o que chamou de "caça às bruxas" e manter-se focado em um Ministério surpreendente, que realmente irá fazer com que o país saia do caos em que se encontra.

Publicidade
Publicidade

Apesar de não ter nada definido ainda, José Serra já vem fazendo contatos com empresários e também com pessoas ligadas ao mercado e até com o Judiciário, abrindo as opções para quando Michel Temer assumir a presidência. Um dos contatos feitos pelo senador foi com o ex-ministro Nelson Jobim e também com Armínio Fraga, além do deputado Roberto Freire que é do PPS e até com Fernando Henrique Cardoso que já esteve na presidência do Brasil.

Quando questionado sobre o fato de ele mesmo ser o ministro preferido de Temer, Serra disse que ainda é cedo para ver isto e na hora certa caberá ao PSDB discutir os cargos.

José Serra, formado em Economia, já ajudou Temer em seus primeiros contatos a respeito do "Plano de Reconstrução Nacional" e mostrou quais são as áreas dentro do país e também em relação às exportações que precisão de maior atenção para que a empreitada tenha sucesso.

Publicidade

Como já era esperado, o senador espera que o impeachment se materialize, alegando que esta seria a melhor alternativa para o Brasil e que desde o início do segundo mandato de Dilma que ele já vê um cenário totalmente desfavorável a atuação da petista.

Serra garantiu que o PSDB será chamado para ajudar Michel Temer e que a saúde e também a economia são os pontos que merecem maior atenção.

O impeachment de Dilma Rousseff já está em processo e a presidente ainda tem 9 sessões para apresentar sua defesa. #Reforma política