O processo do #Impeachment voltará, na semana que vem, a entrar em pauta no Supremo Tribunal Federal (STF). A Corte julgará, na quarta-feira, dia 16, o recurso apresentado por Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados, que pede a mudança nas normas de tramitação do processo definidas ainda no final do ano passado.

Na ocasião, as mudanças aceitas pelo STF após pedido do PC do B, que integra a base aliada do governo, derrubaram a eleição da comissão especial da Câmara que seria responsável pela abertura ou não do processo de impedimento contra Dilma. Os ministros também vetaram chapas alternativas e voto secreto entre os deputados, além de dar ao Senado o poder de vetar o transcurso do processo.

Publicidade
Publicidade

A data para a análise do recurso foi acertada entre Ricardo Lewandowski, presidente do Supremo, e Luís Roberto Barroso, relator do caso. Barroso também fez questão de frisar que o “país tem pressa” em resolver esse processo do impeachment e garantiu celeridade na análise do recurso proveniente da Câmara.

Barroso agora terá a missão, enquanto relator do caso, de analisar os argumentos montados no recurso enviado pela Câmara e preparar um voto para reinstalar o julgamento. Antes do anúncio da data para o julgamento do recurso, parlamentares de oposição estiveram com Lewandowski cobrando agilidade na análise do recurso. A ideia é destravar politicamente o processo de impeachment de #Dilma Rousseff. #PT