Uma situação bastante inusitada está para acontecer na política brasileira nos próximos dias. Isso porque, o vice-presidente da República, #Michel Temer, poderá assumir temporariamente a Presidência, dias depois da votação que vai decidir, no próximo dia 29 de março (terça-feira), se o PMDB, partido do vice-presidente, vai permanecer, ou não, junto ao #Governo em Brasília.

Caso os membros opositores ao governo dentro da sigla consigam vencer a votação, e, com isso, o PMDB anuncie oficialmente o seu desligamento com o Palácio do Planalto, Michel Temer poderá assumir a Presidência, mesmo com a confirmação oficial do rompimento do PMDB com o Governo Federal.

Publicidade
Publicidade

Nos dias 31 de março e 1º de abril, a presidenta da República #Dilma Rousseff (PT) estará em Washington, nos Estados Unidos, para participar da quarta edição da “Cúpula sobre Segurança Nuclear”. Por conta disso, de acordo com as normas da Constituição Federal, quem deve assumir a cadeira da presidente, em sua ausência, é o vice-presidente, no caso, Temer, que, inusitadamente, esperaria o retorno de Dilma dos EUA para oficializar seu desligamento com o governo.