Os dois pré-candidatos mais bem cotados à presidência dos Estados Unidos para a disputa do dia 8 de novembro seguem liderando com folga as primárias. Na terça-feira, dia 22 de março, o republicano Donald Trump conseguiu uma grande vitória, ao ganhar no estado Arizona, considerado fundamental para as intenções do magnata de ser o indicado pelo seu partido para concorrer. No Arizona, quem vence, fica com todos os delegados da seção, ou seja, Trump somou mais 58 para sua "conta".

Donald Trump se amparou, mais uma vez, em seu discurso inflamado contrário aos imigrantes e com sua postura nitidamente racista. Principal concorrente do magnata, o senador do Texas, Ted Cruz, reagiu com o triunfo consolidado no estado de Utah.

Publicidade
Publicidade

Ted Cruz segue como a esperança do Partido Republicano para que alguém consiga superar Trump. O medo de que o magnata seja o escolhido para concorrer ao posto na Casa Branca não é segredo dentro do próprio partido.

Cenário semelhante aconteceu com a ex-primeira dama e ex-secretária de Estado, a democrata Hillary Clinton, ampla favorita para suceder o atual presidente Barack Obama, do mesmo partido. Na terça-feira, ela levou a melhor com cerca de 75 delegados democratas, deixando seu principal adversário, o senador por Vermont, Bernie Sanders, para trás. Entretanto, Sanders conseguiu uma reação no estado de Utah, com 18 delegados, e no Idaho, onde somou mais 18. Apesar de duas vitórias sobre Hillary Clinton, a distância entre ambos ainda é enorme.

As próximas primárias acontecem na sexta-feira, entre os democratas, nos estados do Alaska, Havaí e Washington.

Publicidade

No início de abril, democratas e republicanos realizam votações no Wisconsin, e no dia 9 de abril, os democratas votam em Wyoming. Dez dias depois, a gigantesca Nova York será o palco para que o Partido Democrata e o Partido Republicano demonstrem seu poder de fogo. As prévias desta terça-feira acabaram perdendo espaço nas notícias internacionais após os ataques terroristas ocorridos em Bruxelas, capital da Bélgica. #Comunicação #EUA #Eleições 2016