Foi pedida a prisão preventiva ao petista no fim da tarde dessa quinta-feira, 10, pelo Ministério Público de São Paulo, onde foi denunciado por lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

O pedido é de prisão preventiva e cabe habeas corpus para evitar o encarceramento, bem como ainda depende de autorização de um juiz do TJ de SP, uma vez que o pedido foi feito por promotores. A assessoria oficial do petista ainda não se pronunciou, mas jornalistas já começam a se aglomerar em frente a casa do ex-presidente do Brasil.

Além da prisão de #Lula, os promotores também pediram a prisão do ex-tesoureiro do #PT João Vaccari Neto, do empreiteiro da OAS Léo Pinheiro e de mais dois investigados que até o momento não tiveram o nome divulgado para a imprensa, mas que são investigados do caso Bancoop.

Publicidade
Publicidade

A denúncia que Lula responde pelo MP-SP é fruto de uma longa investigação realizada pelos promotores Cássio Conserino e José Carlos Blat. Vale ressaltar que essa denúncia nada tem a ver com as investigações da Operação Lava Jato, coordenada pelo juiz federal Sérgio Moro, do qual Lula pode responder por lavagem de dinheiro, improbidade administrativa e peculato, se comprovadas as acusações contra ele.

A ex-primeira dama Marisa Silva e o filho do casal Fábio Luiz Lula da Silva, também estão na mira das investigações. Para defender-se, Lula apresentou defesa escrita em que alega não ser o dono do Triplex reformado pela OAS no valor de R$777 mil entre abril e setembro de 2014.

Fuga da Lava Jato?

A colunista Mônica Bergamo divulgou essa semana que parlamentares petistas querem que Lula se torne ministro afim de obter foro privilegiado.

Publicidade

Uma matéria do Terra disse que o ex-presidente comunicou que não tem pretensão de assumir cargo de ministro atualmente, entretanto, desde a delação de Delcídio noticiada na última quinta-feira, 3, Lula ficou mais próximo do governo e tem se encontrado com Dilma, que também foi citada na delação.

Desesperados, militantes petistas invadiram um grupo de apoio ao juiz Sérgio Moro no Facebook, como estratégia para fazê-los desistir das manifestações, mas estas, por sua vez, ganharam mais força. #Justiça