Paulo Okamoto do Instituto #Lula entra com pedido de anulação no STF da 27ª fase da operação #Lava Jato batizada de "Carbono 14". De acordo com seu pedido ao Supremo Tribunal Federal, o juiz federal Sérgio Moro desobedeceu a ordem do mesmo e deflagrou a nova fase da operação. Segundo a ordem do STF, todas as investigações sobre Lula deveriam ser transferidas para a Suprema Corte. O juiz federal Sérgio Moro autorizou as investigações da nova fase da Lava Jato que focam no assassinato do ex-prefeito de Santo André, Celso Daniel. Provas valiosas já foram colhidas para a elucidação do crime. O juiz federal afirma que o esquema criminoso sobre o pagamento do empresário Ronan Maria Pinto, no valor de R$ 6 milhões, poderia elucidar fatos novos ligados ao Pt.

Publicidade
Publicidade

O instituto Lula alega em seu pedido que o juiz autorizou a reabertura de um caso já encerrado e acusa o juiz federal de arbitrariedade por tentar incriminar Lula em sua perseguição política e claramente pessoal contra o ex-presidente.

Acusações do Ministério Público

O ministério Público Federal acusou o empresário Ronan Maria Pinto por crime de extorsão e corrupção ativa. Segundo o mesmo, Ronan Maria Pinto fraudou o Sistema de Transporte público de Santo André nos anos de 2001 e 2002 e, com base em investigações, Celso Daniel teria tomado conhecimento do crime antes de morrer. Ronan teria recebido a metade da propina através de um empréstimo feito entre o PT e o Banco Schain. O empréstimo está sendo investigado pela Lava Jato e teve sua legalidade questionada por envolver o pecuarista José Carlos Bumlai e por suspeitarem de extorsão por parte do PT.

Publicidade

Conclusões de Sérgio Moro

Moro suspeita que Ronan Maria Pinto teria recebido parte do valor através de extorsão feita pelo PT. Para isso recorre ao depoimento de Marcos Valério, empresário que foi preso em 2012 no processo do mensalão, no qual o mesmo relata que suspeitava que o contrato entre o Banco Schain e a Petrobras era parte do esquema de pagamento do empréstimo de Bumlai ao banco. Na acusação do MPF, José Carlos Bumlai teria mesmo feito contratos fraudados na Petrobras. Sérgio Moro conclui que o fato será ainda mais grave caso se comprove o que disse Marcos Valério em seu depoimento, pois além do crime de extorsão do PT, agentes da administração pública estariam envolvidos no crime de obstrução da justiça.