Na madrugada deste sábado (16) Jair Bolsonaro, deputado federal pelo PSC-RJ, fez seu discurso no plenário da Câmara e disse que o governo federal está planejando um atentado terrorista e que fará de tudo para não entregar o poder.

Ainda de acordo com o deputado federal, a divulgação feita pela Abin - Agência Brasileira de Inteligência - de que a mensagem postada no Twitter por um terrorista do Estado Islâmico, na qual ameaçava o Brasil, será, na verdade, só mais um pretexto para que o PT ataque o país e coloque a culpa no EI. Bolsonaro não parou por aí e acusou o governo de usar a Agência para uso político.

O discurso de Bolsonaro não passou de 10 minutos, mas durou o suficiente para gerar uma grande polêmica na tumultuada sessão que está debatendo o processo de impeachment de Dilma Rousseff.

Publicidade
Publicidade

O que o deputado não mencionou durante seu pronunciamento foram as "pedaladas fiscais" que são os motivos que levaram à abertura do processo de #Impeachment.

Para Jair Bolsonaro, o Partido dos Trabalhadores não vai entregar a presidência da república se o impeachment da presidente for mesmo aprovado e em sua opinião, o momento que o país atravessa é muito mais grave do que aconteceu no "pré-64", que foi quando começou a ditadura no Brasil.

O deputado está cumprindo seu 6º mandato na Câmara dos Deputados e em 2014 foi o político mais votado no Rio de Janeiro. Na última eleição ele começou pelo Partido Progressista, mas atualmente é filiado do Partido Social Cristão e é um dos pré-candidatos à Presidência da República.

Bolsonaro tem três filhos já ligados à política, sendo que Carlos Bolsonaro é vereador no Rio de Janeiro só que pelo PP, Flávio Bolsonaro, também pelo PP, é deputado estadual pelo Rio e Eduardo Bolsonaro é deputado federal de São Paulo e como o pai, pelo PSC.

Publicidade

Bolsonaro é conhecido principalmente por causa de seu posicionamento conservador e frases polêmicas que sempre geraram muita discussão, por exemplo: o deputado defende a ditadura militar e disse que a tortura é uma "prática legítima". #Terrorismo #Dilma Rousseff