Uma grande confusão marcou, nesta quarta-feira, 06, a entrega do relatório do deputado federal Jovair Arantes na comissão do impeachment da Câmara dos Deputados. Tudo começou quando deputados da base governista na Câmara tentaram realizar, antes do pronunciamento de Jovair, uma defesa da presidenta da República #Dilma Rousseff, por meio do advogado-geral da União em exercício, Fernando Luiz Faria, que substituía temporariamente o titular do cargo, José Eduardo Cardozo.

Imediatamente, deputados da oposição, que defendem o pedido de impeachment de Dilma, se levantaram e protestaram veementemente contra a fala de Faria, o que gerou uma discussão generalizada no local – xingamentos de baixo calão, partidos de ambos os lados, puderam ser ouvidos por jornalistas e demais profissionais presentes.

Publicidade
Publicidade

Depois de acalmar os ânimos dos parlamentares “briguentos”, o presidente da comissão do #Impeachment na Câmara, Rogério Rosso (PSD do Distrito Federal), negou o pedido dos deputados governistas, alegando que a defesa da presidente Dilma Rousseff já havia sido feita, por quase duas horas, pelo advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo.

A confusão serviu apenas para atrasar, em pouco mais de uma hora e meia, a leitura do relatório por parte do deputado Jovair Arantes, que pertence ao PTB de Goiás. #Crise no Brasil