Nesta quarta-feira (20), o Partido Solidariedade deu entrada a uma ação civil e uma interpelação criminal contra a presidente #Dilma Rousseff, para que seja encaminhada na Justiça Federal e no Supremo Tribunal Federal (STF). Essas ações são para evitar que a presidente viaje para Nova York na abertura de um evento da #ONU (Organização das Nações Unidas) que ocorrerá amanhã, a ação feita pelo Solidariedade à acusa de improbabilidades administrativas e prevaricação.

O evento da ONU será uma forma de Dilma falar sobre seu processo de impeachment e alegar que está sendo vítima de um golpe contra a democracia. Segundo interlocutores, Dilma aproveitará a oportunidade do evento para se manifestar.

Publicidade
Publicidade

A liminar encaminhada requer que a presidente seja impedida de utilizar canais internacionais "para fins estritamente pessoais", restringindo os direitos políticos, sendo condenada então a ressarcir os cofres públicos com as despesas da viagem.

O deputado Paulo Pereira da Silva (SP), conhecido como Paulinho da Força e presidente do Partido Solidariedade, colocou uma ação popular na Justiça Federal do Distrito Federal alegando os mesmo motivos citados, dizendo no texto que a atitude de Dilma interfere negativamente na imagem do Brasil perante as organizações diplomáticas, consequentemente transfere péssimos impactos para a economia do país, e utilizou as palavras "imoralidade e improbidade" para se referir a utilização de recursos financeiros públicos no propósito de custear um passeio que tem objetivos totalmente pessoais e aproveitando-se de um ambiente impróprio para este fim.

Publicidade

A viagem da presidente Dilma Rousseff está marcada para  quinta-feira (21) às 9h30, com chegada prevista para às 19h30 do horário local, juntamente com sua equipe. Além do evento da ONU, Dilma concederá duas entrevistas. 

Michel Temer, o vice-presidente está sendo criticado e chamado de "traidor" por Dilma, ele assumirá o cargo temporariamente e permanece em São Paulo, enquanto Dilma só retornará ao Brasil na madrugada de sábado para domingo.  #Crise no Brasil