A presidente Dilma Rousseff confirmou presença, amanhã (1º), em um evento da CUT (Central Única Dos Trabalhadores), em São Paulo pelo dia primeiro de maio. Hoje, Dilma deve se reunir com seus assessores em Brasília, para discutir o que irá anunciar nesse evento.

Ela pretende anunciar o reajuste do programa Bolsa Família. Segundo o Palácio do Planalto, a tendência é que esse reajuste seja feito por faixas e não por percentual linear. Tudo isso, apesar do Tesouro Nacional ter dito, essa semana, que não tem espaço, para fazer esse aumento, esse reajuste. Porém, o Palácio do Planalto refuta essas informações e diz que não haverá nenhum impacto negativo, nas contas públicas.

Publicidade
Publicidade

Também afirmou que não terá nenhum rombo, e que somente está reafirmando as prioridades do governo. Não podemos deixar de mencionar que o Bolsa Família é uma das principais marcas do governo de Dilma e também do ex-presidente #Lula.

Esse reajuste vai ser feito às vésperas do processo de impeachment ser votado no Senado Federal. Votação que irá acontecer na quarta-feira (11 de maio).

São dois motivos principais, o primeiro é uma resposta ao vice-presidente Michel Temer, que já falou que pretende fazer também esse tipo de reajuste, se o impeachment passar no senado. O segundo motivo é exatamente o de reafirmar prioridades fazendo acenos para a base social.

O valor do aumento para o programa deve ser por volta de 5%, segundo o Palácio do Planalto.

A presidente #Dilma Rousseff também irá informar, uma nova tabela para o IR (Imposto de Renda), pois houve um acúmulo da inflação.

Publicidade

Para dar apoio a ela nesse momento delicado, quem estará marcando presença no evento da Central Única Dos Trabalhadores (CUT), neste domingo, Dia do Trabalho, é o ex-presidente Luiz Inácio Lula Da Silva, que tem uma longa história politica ligada a essa instituição, desde a época que trabalhava como metalúrgico em São José dos Campos (interior de São Paulo).

Esses anúncios referentes ao reajuste do Bolsa Família e  ao Imposto de Renda podem ser a última famosa 'carta na manga', que o atual governo guardou. #Bolsa Familia