Em uma das semanas mais decisivas do seu governo, a presidente #Dilma Rousseff resolveu atacar. Nesta terça-feira (12), ela fez o seu discurso mais duro e incisivo desde o início do processo de impeachment contra o seu mandato. Dilma disparou contra o seu próprio vice-presidente, #Michel Temer, e contra Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados.

Segundo a interpretação de Dilma do momento político brasileiro, Temer e Cunha podem ser considerados os "chefes do golpe" e "chefes da conspiração". Ela também usou o termo "traição". O seu pesado discurso foi realizado durante um evento com educadores e membros de representações estudantis no Palácio do Planalto.

Publicidade
Publicidade

"Eu nem sei direito qual é o chefe e qual é o vice-chefe. Um dos dois é a mão, que nem é tão invisível, do desvio de poder e dos abusos na condução do impeachment. O outro apenas esfrega as mãos e ensaia a farsa com vazamentos de discurso de posse", criticou Dilma, fazendo alusão ao vazamento do áudio de Michel Temer em que ele simula um discurso de posse como novo presidente.

Dilma, aliás, tratou o episódio do vazamento do áudio como uma "traição" de Michel Temer. Essa não é a primeira vez que o peemedebista se vê no centro de uma polêmica como essa. Em dezembro do ano passado, foi vazada uma carta assinada pelo vice-presidente em que ele faz uma série de reclamações direcionadas à condução política de Dilma. Para explicar o novo vazamento, Temer disse que se equivocou na hora de enviar a mensagem em um aplicativo de mensagens.

Publicidade

#Congresso Nacional