Ontem (18) o presidente do Senado Federal, Renan Calheiros(PMDB-AL), recebeu o processo de impeachment  das mãos de #Eduardo Cunha(PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados.

A aprovação do rito de impeachment dependerá de uma comissão especial, contendo 21 senadores, que será montado com urgência, porém, a análise do processo será somente em maio e se aprovado, a presidente #Dilma Rousseff já poderá ser afastada do cargo de presidente. O período para que o processo de impeachment seja julgado poderá demorar até 5 meses, ou seja, em setembro.

Renan Calheiros se reuniu com o presidente do PMDB, que está em exercício, Romero Jucá (RR) e o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), para  montar uma comissão especial que irá avaliar a admissibilidade do processo de impeachment. 

No encontro ontem à tarde, no Congresso Nacional, entre os  presidentes Renan Calheiros e Eduardo Cunha, Cunha pediu rapidez no trâmite do julgamento, para que o país não sofresse ainda mais com a paralisação.

Publicidade
Publicidade

O processo de impeachment será lido hoje no plenário do Senado, e Renan relatou que poderá dar prazo de 48 horas para que a comissão especial seja montada com os 21 membros. 

O processo de impeachment aprovado pela câmara dos deputados deste domingo, foi um marco na história política brasileira, com 367 votos a favor e 137 contra. Agora nas mãos de Renan Calheiros, será o Senado a decidir sobre o futuro do processo.  

O Brasil passa por uma grande crise econômica e  política, mas a esperança dos brasileiros é que no final, tenha uma solução para esta crise, que afeta a todos. O crescimento do país depende deste processo, já que muitos setores do Governo estão estagnados à espera de uma decisão sobre o impeachment de Dilma.

O presidente da Câmara já se reuniu com o presidente do STF, Ricardo Lewandowski para definirem como será o rito de impeachment , traçando um roteiro de acordo com a lei, seguindo as mesmas regras de 1992, quando definiram o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello.   #Crise-de-governo