O Brasil, realmente, não é para amadores. Como entender que uma presidente que acusa seu vice de estar tramando um golpe contra ela para se apossar da presidência viaja e deixa em seu lugar a quem ela própria acusa que estar dando um golpe?

Não é fácil explicar. Mas é isso que está acontecendo. A presidente Dilma embarcou na manhã desta quinta-feira (21) para os Estados Unidos, onde participará da assinatura do Acordo de Paris (um pacto que obriga os países a tomar medidas que visem combater mudança do clima), na sede da Organização das Nações Unidas (#ONU), em Nova York. Durante sua viagem, assumirá a presidência da República justamente o vice-presidente Michel Temer, a quem Dilma acusa de estar dando um golpe de Estado.

Publicidade
Publicidade

Em seu pronunciamento no organismo internacional, Dilma poderá (de maneira elegante, segundo seus assessores) reforçar suas convicções de que o processo de #Impeachment é um golpe. Os assessores prepararam um discurso focado no tema do encontro, que é o esforço mundial para maior controle das mudanças climáticas, mas eles dizem que a presidente poderá, a seu critério, fazer menção ao processo de impeachment. É importante notar que enquanto ela estiver discursando, o vice Michel Temer será o presidente em exercício do Brasil.

Críticas e protestos

Ministros do Supremo Tribunal Federal criticaram a disposição da presidente em tocar no assunto em um evento internacional. Comentando o assunto, o decano do STF, ministro Celso de Mello, afirma que a intenção de Dilma é “um grande equívoco”, já que sua visão sobre o processo é eminentemente pessoal e faz parte da sua linha de defesa.

Publicidade

Enquanto Dilma embarcava para o evento na ONU, cerca de 40 jovens  fizeram um protesto em frente à casa  de Michel Temer, no bairro do Alto de Pinheiros, em São Paulo, contra o processo de impeachment. A líder do grupo, denominado Levante Popular da Juventude, a estudante de direito, Larissa Sampaio, disse que Temer já está agindo como presidente, planejando mudanças nos ministérios e na política econômica. #Dilma Rousseff