A crise política brasileira alcança um novo patamar, a partir de denúncia feita por um engenheiro, preso no ano de 2007, em uma operação da Polícia Federal. Zuleido Veras tem conhecimento do ambiente nebuloso entre o mundo politico e as construtoras responsáveis pela realização de obras públicas. Veras havia sido preso em 2007, acusado de receber altas somas de dinheiro em contratos fraudulentos milionários com o governo, semelhante ao escândalo atual de desvios de dinheiro público da Petrobras. O engenheiro ficou cerca de doze dias na cadeia, porém, em decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), a Corte considerou que as provas obtidas contra Veras eram nulas, e o mesmo foi posto em liberdade para que pudesse continuar a responder o seu processo.

Publicidade
Publicidade

Já na década de 1980, o engenheiro, antes de abrir seu próprio negócio, fazia parte dos quadros de funcionários da empreiteira OAS, uma das principais envolvidas nos escândalos atuais que desviaram bilhões de reais da Petrobras.

Zuleido Veras trabalhou por aproximadamente 10 anos na construtora supracitada e pôde, ao lado de Léo Pinheiro, presidente da empresa e envolvido nos escândalos da Petrobras, acompanhar e testemunhar muitas operações realizadas e contratos suspeitos. Basta ressaltar que o presidente da OAS, Léo Pinheiro, preso na Lava Jato, é muito próximo ao ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva.

Lula implicado

O engenheiro Veras afirmou, de modo categórico, que o ex-presidente Lula e a empreiteira OAS, possuíam uma relação muito próxima, em entrevista à Revista Veja.

Publicidade

Ainda, de acordo com ele, não o surpreendeu o envolvimento de ambos nas relações financeiras investigadas pela Operação Lava Jato, sob o comando do juiz federal, Sérgio Moro, a partir de Curitiba. Veras afirmou que, naquela época de 80, #Lula era um político promissor e que  Pinheiro sempre disponibilizara dinheiro para a"sobrevivência" do ex-presidente. Os valores, à época, constavam, segundo Veras, em somas que variavam entre "30.000 reais", "20.000 reais" e "10.000 reais", além da ajuda financeira para campanhas políticas de Lula, declarou. Em troca do dinheiro recebido, o ex-mandatário do país favorecia os interesses da construtora. Por fim, Veras afirmou, ainda, que o escândalo de #Corrupção do Petrolão foi idealizado no governo Lula, com o propósito de eleger a presidente #Dilma Rousseff.