A cada dia que passa a temperatura apenas aumenta no cenário político em Brasília. E até o momento a previsão é de apenas mais turbulência. Neste jogo de xadrez o #Governo resolveu optar por mudanças no segundo escalão. Esta estratégia  tem apenas um intuito: tentar conseguir votos para brecar o processo de #Impeachment da presidente Dilma. Com isto o governo fez uma negociação de cargos que podem chegar a movimentar cerca de R$ 38 bilhões em recursos do orçamento deste ano. 

O governo tem como meta tentar conseguir apoio de partidos como o PP, PROS, PDT e PTN, e visa conseguir o apoio do PMDB, mesmo que o partido do vice-presidente Michel Temer tenha desembarcado do governo.

Publicidade
Publicidade

Toda a estratégia do governo da presidente Dilma é trabalhar em cima de promessas de cargos para tentar conseguir brecar o processo de Impeachment. 

A política econômica de intervenção governamental proíbe por tempo indeterminado o uso de parte destes recursos de investimento. Esta informação é do site Notícia ao Minuto, que cita também que as siglas tem cobiçado os órgãos de segundo escalão do governo federal. 

As mudanças no segundo escalão do governo devem se fortalecer até o dia 15 de abril, data marcada para o início da votação no plenário da Câmara dos Deputados em relação ao pedido de abertura do processo de Impeachment. Neste jogo de xadrez o governo já tem movimentado algumas peças no tabuleiro, fazendo mudanças em alguns cargos, antes ocupados por aliados do vice-presidente Michel Temer.

Publicidade

Já foram desocupados alguns postos no Ministério da Agricultura, além de uma diretoria da Conab. Todos estes cargos estavam sendo usados por pessoas ligadas ao vice-presidente, e por enquanto seguem sem ninguém. Em relação ao PMDB, a ideia foi dar um certo privilégio a uma parte do partido, visando que o mesmo ainda pode lhe dar votos. Neste caso, o governo resolveu movimentar as peças do tabuleiro da seguinte forma: tirou o presidente da Embratur, Vinicius Renê Lummertz (PMDB), colocando em seu lugar Gilson Lira. Com esta jogada, o governo consegue tirar a influência de cinco deputados da bancada do PMDB de Santa Catarina favoráveis ao Impeachment. Ficando com o Deputado da Paraíba, Veneziano, que por sua vez é padrinho de Gilson Lira, que assumiu a presidência da Embratur. Já Vinicius Renê, afastado do cargo, tem ligação com os deputados de Santa Catarina. 

Resumindo: o governo vem tentando de tudo para conseguir mudar o jogo. Tudo que puder ser feito para tentar brecar o processo de impeachment será feito e, pelo visto, o governo está disposto a tudo. Esta semana será cheia de turbulência e os nervos devem ficar a flor da pele. Vamos aguardar.