Em uma solenidade hoje (29/04), indignada com a repercursão do ‘impeachement’, Dilma concedeu uma declaração e voltou a reiterar que não possui contas fora do país e nunca cometeu atos ilícitos como crimes de corrupção.

Em meio ao evento no Palácio do Planalto, questionou ainda que o curso do processo que tramita contra ela no Senado Federal, não possui veracidade para ser mantido. Na ocasião, havia um número significativo de pessoas além de alguns aliados ministeriais que  acompanhavam o discurso.

Segundo ela, mesmo que o instrumento tenha previsão na Constituição da República Federal (CRF), precisa preencher o requisito sobre o cometimento do crime de responsabilidade e é justamente nesse ponto que ela não se encaixa, por esse motivo, trata-se de um ‘golpe’.

Publicidade
Publicidade

Lembrou que as ilegalidades encontradas em seu mandado são efeitos de governos anteriores e por isso é incabível analisar dessa forma. Até porque, os outros presidentes passados não foram punidos por tais fatos criminosos.

Também não conseguiu disfarçar o descontentamento sobre alegações que implica os gastos sociais, o qual retrucou imediatamente, alegando que vieram os gastos, mas em contrapartida, foram realizados vários cortes para essa finalidade.

Em complemento, argumentou que várias transferências de rendas foram feitas para esses programas sociais, entre eles o Bolsa Família e o Seguro Desemprego. Determinadas movimentação financeira não pode ser feita pela Administração Federal devido a não ter caixa, portanto, é transferida para um banco público e em período posterior, faz-se a quitação dos débitos normalmente.

Publicidade

Dilma disse que não tem como prever a data dos pagamentos aos bancos públicos, uma vez que não sabe a quantidade de pessoas que irão usufruir dos serviços sociais, ou seja, no início não sabemos. A única coisa que afirmou foi que a diferença nunca chegou ao vermelho com o passar dos anos.

Por fim, informou que essas atitudes são para assegurar e garantir os programas sociais e ressaltou ter plena convicção que as acusações que pesam em desfavor ao seu mandato são “(...) ridículas... e que há de fato um processo em curso e esse processo tem um nome: é golpe”, também argumentou “Temos de ter ciência disso. Para o presente e para o futuro. A democracia será sempre o lado certo da história.” afirmou Rousseff.  #Dilma Rousseff #Impeachment #Crise-de-governo